Laudo da Defesa Civil sinaliza relação entre a cratera e o túnel

Órgão Municipal não trabalha com prazo para liberação das casas e da pista sem intervenção estrutural no túnel



A falta de monitoramento do túnel da Nova Subida da Serra (NSS) – abandonado desde novembro de 2016 - foi um fator determinante para o desastre, que poderia ser prevenido. É o que informa o laudo da Secretaria de Defesa Civil e Ações Voluntárias. O documento foi entregue ao Ministério Público Federal (MPF) nesta segunda-feira (04.12) e aponta a relação entre a abertura da cratera às margens da BR-040, na altura do Contorno e as obras. O documento destaca que o monitoramento da área interna do túnel possibilitaria aos responsáveis pela obra, acompanhar possíveis desplacamentos e outros sinais de instabilidade.

Segundo o relatório, por medida de segurança, não existe prazo para a liberação da pista, da Escola Municipal Leonardo Boff e nem das 55 casas, na região conhecida como Vale da Escola. De acordo com os técnicos, a liberação da área será possível somente após a realização de intervenções estruturais no interior túnel.

"Obras em túneis requerem atenção especial, pois assim como as barragens, por exemplo, a concentração dos esforços num ponto de fragilidade podecomprometer toda a estrutura. Nesse sentido, a paralisação da obra foi um fator determinante”, explica o secretário de Defesa Civil, coronel Paulo Renato Vaz, que garantiu que a liberação da área só vai acontecer após a concessionária realizar intervenções estruturais no interior do túnel, que garantam a segurança da área.
“Não trabalhamos com nenhum prazo ou previsão para a liberação das casas, da escola ou da pista, sem que aconteçam intervenções efetivamente estruturantes no interior das escavações. O que está em jogo é a vida das pessoas e não podemos colocá-la como ponto de interrogação", completa o secretário.
O laudo foi elaborado após a análise dos documentos entregues pela Concer, com as informações sobre o traçado do túnel, os dados de monitoramento do deslocamento do solo, as sondagens rotativas, além do relatório gerado a partir do equipamento subaquático de vistoria nas áreas secas do túnel.

Na quarta-feira da semana passada, dia 29 de novembro, a Defesa Civil desinterditou a Comunidade do Zizinho, o Motel Play Love e o Clube de Tiro. Esses locais haviam sido interditados de maneira preventiva na noite do dia 11 de novembro, após a população relatar que dois estrondos e estalos no terreno.

“Não surgiram critérios técnicos para manter a interdição, como rachaduras ou trincas nas paredes dos imóveis isolados, na Comunidade do Zizinho. Além disso, a Concer apresentou os relatórios de monitoramento daquela região que indicam que não houve movimentação no terreno ou novos tremores. A situação é completamente diferente se compararmos com a região próxima a cratera”, explica Paulo Renato.

O laudo da Defesa Civil foi entregue na data determinada pelo MPF. Duas equipes do órgão municipal seguem em um plantão de 24 horas na BR-040, acompanhando o caso. A empresa contratada pela Concer, concessionária que administra a rodovia, segue com os trabalhos de contenção na região do Vale da Escola.

Fotos: Marcello Santos