Ex-vereador Montanha responderá acusações em liberdade



Fonte DIÁRIO DE PETRÓPOLIS: O Juiz Afonso Henrique Castrioto Botelho, da 2º Vara Criminal da Comarca de Petrópolis, concedeu na última quarta-feira (25) o benefício do habeas corpus ao ex-vereador Marcos Luiz Bernardes de Souza, o Montanha. A defesa alegou que o prazo  da prisão foi excedido. Suspeito pelos crimes de concussão, organização criminosa, falsificação de documento público e peculato, o ex-vereador foi preso no dia 06 de junho deste ano na operação “Casa Limpa”, do Ministério Público Federal. Após 142 dias no presídio Juíza Patrícia Lourival Acioli, no Rio de Janeiro, Montanha foi solto no início da noite de ontem (26), para então responder ao processo em liberdade. 

Junto com Montanha, outras 14 pessoas foram presas no mesmo dia. Todos ex-assessores de governo. Ao todo, Polícia Civil cumpriu 18 mandados de prisão e um de busca e apreensão, este, no caso Montanha.
Desde de 2016, o MP vem investigando os esquemas de corrupção dentro da Câmara Municipal de Petrópolis. Acusados de manter funcionários "fantasmas" entre 2012 e 2016, os vereadores Osvaldo Fernandes do Vale, o Vadinho e Sebastião Silva, o Pastor Sebastião, também foram presos - em 7 de março e  22 de junho, respectivamente - e respondem ao processo em liberdade.

A denúncia foi feita por uma ex-assessora de Vadinho que revelou que os vereadores ficavam com pelo menos 50% dos salários dos servidores nomeados. Na época, os valores dos vencimentos giravam em torno de R$ 1,8 mil a R$ 4,6 mil.

Para controlar as “supostas” nomeações, o juiz da 4º Vara Cível de Petrópolis, Jorge Luiz Martin, obrigou a instalação de ponto eletrônico e biométrico, após uma ação judicial movida pelo Ministério Público Estadual (MPE). Desde o dia 19 de junho todas as pessoas que prestam serviço na Câmara são obrigadas a passar pelo ponto quando chegam e quando saem.