Profissão de Bombeiro Civil pode ser regulamentada em Petrópolis

Projeto de Lei já está tramitando na Câmara desde o mês julho



O Projeto de Lei número 6277/2017, de autoria do vereador Marcelo da Silveira (PSB), que regulamenta a profissão de Bombeiro Civil em Petrópolis, tornando obrigatória suapresença em Casas de Shows, Shoppings Centers, Universidades, Supermercados, e locais fechados com grande circulação de pessoas, pode finalmente entrar em votação.

Na tarde desta quarta-feira, dia 23, Marcelo da Silveira se reuniu com o presidente do Legislativo, vereador Paulo Igor, representantes da Federação Nacional dos Trabalhadores Bombeiros Civis do Estado do Rio de Janeiro, e cerca de 50 profissionais e estudantes da área. No último domingo, uma caminhada reuniu cerca de 200 pessoas que se concentraram na Catedral São Pedro de Alcântara e foram em direção ao Batalhão do Corpo de Bombeiros na Avenida Barão do Rio Branco.

O projeto criado por Marcelo da Silveira é baseado na Lei 13.452/2017, conhecida como a “Lei Kiss”, referente à tragédia que aconteceu na Boate Kiss no Rio Grande do Sul, que matou 242 jovens. “Não precisamos esperar acontecer com a gente o que aconteceu com a Boate Kiss onde perdemos muitos jovens e hoje temos vários pais e mães sofrendo. Eu estou muito ansioso para que seja aprovado o mais rápido possível”, afirmou o vereador.

O bombeiro civil é um trabalhador de grande importância, sua atuação preventiva e mesmo combativa visa preservar o meio como um todo, reduzindo os riscos no seu local de atuação por meio de normas de saúde, higiene e segurança. Ainda que seja possível aos empregadores ter outros profissionais na empresa treinados para as atividades de prevenção e combate a incêndio, a contratação de bombeiros civis, que atuem de forma exclusiva na prevenção de sinistros, torna o ambiente mais seguro.

Além da preocupação com a segurança, o objetivo de Marcelo é a geração de emprego no município. “Iremos trazer segurança e criar mercado de trabalho. Hoje nós temos 130 profissionais que estão fazendo o curso, muitos já estão preparados e ficam em busca de emprego, tendo muitas vezes que ir para o Rio de Janeiro pra poder fazer um trabalho que poderia ser feito aqui”, ressaltou.

A geração de emprego é também a principal preocupação do Sindicato representa a categoria.
“Isso é fundamental para o crescimento do município, a cidade precisa disso. O povo daqui precisa trabalhar, estão se formando, centenas e centenas de bombeiros estão ficando parados na cidade, aguardando alguma coisa acontecer. Eu creio que agora nós conseguimos. Eu saio daqui hoje acreditando que a lei vai ser aprovada, o projeto vai passar, e a cidade vai ser favorecida com essa lei”, afirmou Júlio César Santos de Souza, presidente da Federação Nacional dos Trabalhadores Bombeiros Civis do Estado do Rio de Janeiro.

Na reunião ficou decidido que uma audiência pública será realizada no dia 05 de setembro, no plenário da Câmara Municipal, para que o assunto seja amplamente debatido. Serão convidados representantes do Executivo, do Corpo de Bombeiros Militar e Civil, Cruz Vermelha, SAMU e entidades ligadas ao tema, o objetivo é que, logo em seguida o projeto de lei entre em votação. Caso seja aprovada, a lei tem 90 dias para entrar em vigor.