Central de monitoramento vai ficar no Centro de Cultura



A nova central integrada de monitoramento da cidade vai ficar no Centro de Cultura Raul de Leoni. O espaço começa a ser preparado na semana que vem, com a transferência do setor administrativo para o andar térreo do local. A central vai contar com cerca de 90 m² e vai contar com o trabalho conjunto das forças de segurança (Guarda Civil, Polícia Militar e Polícia Civil), da CPTrans, da Defesa Civil e dos bombeiros. Ao mesmo tempo, o Centro de Cultura vai passar a contar com mais uma galeria, essa dedicada às artes plásticas.

A área onde ficará a central terá também alojamentos, uma cozinha e um gabinete para gestão de crises. A sala ganhar adaptações na parte elétrica, instalação de monitores, colocação de mobiliário (mesas e cadeiras), pintura, entre outros detalhes.

“A central terá o trabalho integrado das forças de segurança e outros órgãos, que estarão reunidos e poderão dar o pronto atendimento às ocorrências”, afirmou o secretário de Serviços, Segurança e Ordem Pública (SSOP).

O número de câmeras ainda não foi fechado, mas vão monitorar 45 pontos além daqueles já vigiados atualmente. Os equipamentos serão adquiridos com recursos de uma emenda parlamentarda deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ) ao orçamento da União em 2015 no valor de R$ 500 mil que foi recuperada pelo prefeito Bernardo Rossi após não ter sido usada no governo passado. A verba já foi utilizada, por exemplo, para adquirir 3,5 mil metros de cabos de fibra óptica.

“As câmeras terão tecnologia de reconhecimento placas de carro, software moderno que reconhece cores. Elas vão ficar posicionadas do Quitandinha e Bingen até Posse, em locais já mapeados pela SSOP, pela PM e pela Polícia Civil”, explica o comandante da Guarda Civil, Jeferson Calomeni. 

Atualmente, a cidade conta com 20 câmeras em duas centrais, uma na Guarda e outra na CPTrans. Os equipamentos foram reativados em abril pela Guarda, após mais de seis desligadas por problemas na transmissão das imagens via rádio – reparo que não foi providenciado na gestão anterior. Além disso, o monitoramento foi acrescido na cidade esse ano com o início da operação do ônibus de videomonitoramento, que possui sete câmeras, e do posto fixo da Praça da Liberdade, que tem quatro.
O espaço onde ficará a central integrada foi cedido pelo próprio presidente do Instituto Municipal de Cultura e Esporte (IMCE), Leonardo Randolfo, que ressalta a importância desse equipamento para a cidade. 

“Petrópolis ganha mais segurança e, com essa reorganização das salas que estamos fazendo aqui no Centro de Cultura, vamos poder ampliar o espaço da cultura com inauguração de uma galeria voltada ao trabalho dos artistas plásticos da nossa cidade”, disse Randolfo.