Em Petrópolis, 12 mil servidores ativos e aposentados vão receber parte do abono natalino de forma antecipada no dia 31



A prefeitura garantiu nesta sexta-feira (21.07) a antecipação de 25% do 13º salário aos 12 mil servidores ativos e aposentados. O dinheiro será pago no dia 31, junto com os vencimentos deste mês. São cerca de R$ 9 milhões destinados à folha extra de antecipação do 13º. A antecipação de parte do benefício de Natal foi anunciada em mais uma reunião com os sindicatos que representam os trabalhadores do município e retoma uma tradição quebrada pelo antigo governo no ano passado.

Por lei, metade do abono natalino pago pode ser feito até novembro e o restante, em dezembro. No entanto, por duas décadas, 50% desse montante era repassado em julho. Porém, em 2016, isso não aconteceu.

“Era um costume de 20 anos que foi quebrado no ano passado. Nossa esperança era voltar a ter essa antecipação. O governo podia tentar empurrar com a barriga até novembro, mas esse anúncio traz a esperança de que antes de novembro possa ser pago a outra parcela”, falou o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos de Petrópolis (Sisep), Osvaldo Magalhães, durante a reunião.

A equipe econômica ressaltou aos sindicatos que participaram dessa quarta rodada de negociações sobre o dissídio, as dificuldades financeiras que o município tem vivido, com dívidas de R$ 766 milhões acumuladas pelo governo anterior.

Este ano, ao invés de 13 folhas de pagamento, que são as 12 normais e mais o 13º salário, o governo está arcando com mais uma, derivada da falta de empenho financeiro da folha de dezembro e o arresto de contas. Então, este ano, são 14 folhas de pagamento, cada uma de R$ 39 milhões.

Outro ponto ressaltado é o pagamento da folha “bruta”, ou seja, com todos os encargos trabalhistas recolhidos. No passado, FGTS e Pasep, por exemplo, deixavam de ser recolhidos e o município pagava apenas a folha “liquida”, de R$ 34 milhões.

 Durante essa semana, a equipe econômica trabalhou de forma intensa para garantir a antecipação de uma parte do abono natalino. Foram feitos estudos sobre o impacto nas contas do município sobre a antecipação da parcela total do 13º e também de parte dela.

“Fizemos um levantamento com esses dois cenários. O governo queria retomar esse compromisso histórico do adiantamento, mas temos que deixar claro que não dá para pagar sem dinheiro. A equipe econômica fez um esforço incomum com economia e austeridade das contas para chegar á antecipação de 25%”, afirmou o secretário de Administração e Recursos Humanos, Marcus von Seehausen.

“Esse é um avanço consciente diante da situação do município. A determinação do prefeito Bernardo Rossi era de fazer todo possível para não deixar os servidores sem antecipação e, agora, podemos anunciar que vamos conceder 25% do 13º. Diante do cenário ruim que atravessamos, a prefeitura é uma das 22 do Estado que mantém salários em dia”, disse o secretário-chefe de Gabinete, Renan Campos.

“Temos sido transparentes e buscado manter o bom diálogo com vocês. Não existe milagre para contornar essa situação. Temos que trabalhar muito para caminhar no sentido de dar tranquilidade aos servidores e, como consequência, da população que recebe o serviço. Temos uma administração preocupada com a cidade, com os cidadãos e com o futuro”, destacou o coordenador de Planejamento e Gestão Estratégica, Roberto Rizzo.

Além deles, também participaram da reunião o secretário de Fazenda, Heitor Pereira, e o controlador geral do município, Fábio Alves. Também estiveram presentes representantes do Sisep (Sindicato dos Servidores de Petrópolis), Sepe (Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação), APM (Associação dos Professores Municipais de Petrópolis), Sindfisc (Sindicato dos Fiscais Municipais), AGCMP (Associação de Guardas Civis Municipais de Petrópolis), Unapo (União dos Aposentados), Afito (Associação dos Fiscais Tributaristas e de Obras) e dos trabalhadores da Comdep.

Eles vão voltar a se reunir na próxima semana para continuar a debater os pontos do dissídio, como desbloqueio de cartões Riocard, cesta básica, cursos de aperfeiçoamento, entre outros. Governo e sindicatos estão formando cinco comissões paritárias para discutir esses assuntos, sendo três delas específicas com os servidores da Educação, Guarda Civil e Comdep.

Comentários