Servidores voltaram a ter acesso a crédito: Quitação de dívidas com consignados consumiu R$ 4,8 milhões da PMP



A Secretaria de Fazenda garantiu aos servidores da prefeitura acesso a crédito para empréstimos consignados junto às instituições bancárias e para compras com cartão Sisep no comércio, após a quitação de R$ 4,8 milhões em dívidas com consignados acumuladas no ano passado. As parcelas de empréstimos consignados junto à Caixa Econômica Federal e ao Banco do Brasil, que somaram R$ 3,8 milhões, assim como de valores referentes a compras com o cartão Sisep, foram descontadas dos salários dos servidores em 2016, mas não repassadas às instituições pelos então gestores. Em cinco meses, a Secretaria de Fazenda zerou os débitos junto aos bancos e também junto ao Sindicato dos servidores.

“Quitar as dívidas referentes aos consignados foi uma das prioridades estabelecidas pelo prefeito Bernardo Rossi, pois é uma questão que estava impactando a vida dos servidores”, explica o secretário de Fazenda, Heitor Luiz Maciel Pereira, destacando que a Secretaria de Fazenda vem fazendo um esforço grande para equilibrar as contas. “Com muito empenho de toda equipe, estamos mantendo os salários em dia, o custeando serviços essências e ao mesmo tempo quitando as dívidas deixadas pelos antigos gestores”, declara.

Os valores referentes aos consignados deixaram de ser repassados pelo município às instituições no ano passado, gerando transtornos para servidores, que mesmo tendo os valores descontados no contracheque, receberam cartas de cobrança e em alguns casos chegaram a ter os nomes incluídos em serviços de proteção ao crédito.
“Felizmente agora está tudo regularizado. No fim do ano passado tive muitos aborrecimentos com o consignado porque em novembro meu nome foi incluído no cadastro do Serasa. Fiquei revoltada quando descobri isso. Agora estou mais tranquila. Estive na Caixa e me informaram que está tudo certo com as parcelas do consignado”, conta a professora Luciana da Silva Molgado.

Para garantir que servidores não continuassem a ser prejudicados, ainda nas primeiras semanas de governo, o prefeito Bernardo Rossi firmou um acordo com a Caixa para que os nomes dos servidores que tiveram os valores descontados nos contracheques, e não repassados no ano passado, não fossem incluídos em serviços de proteção ao crédito. O acordo permitiu ainda, que servidores contratassem novos empréstimos consignados junto à CEF, obedecendo aos parâmetros normalmente estabelecidos pela instituição bancária, que prevê entre outras coisas, limite de crédito compatível à renda do servidor.