Ônibus de videomonitoramento zera ocorrências no entorno do terminal Centro

Em todos os locais utilizados, o veículo zerou as ocorrências de delitos de menor potencial ofensivo



Desde que o ônibus de videomonitoramento foi colocado em operação, o sucesso é absoluto: a presença do veículo garantiu a segurança dos petropolitanos e zerou as ocorrências nos locais onde esteve estacionado. Atualmente, o equipamento está na Praça Marechal Carmona, próximo ao terminal do Centro e zerou ocorrências na área O ônibus já funcionou também na Praça Visconde de Mauá (Praça da Águia) e no Parque de Itaipava.

O veículo ficou parado por três anos e meio e passou a funcionar em janeiro após o governo Bernardo Rossi providenciar o software de gravação de imagens. O primeiro local escolhido para o monitoramento foi a Praça da Águia, local onde havia frequente presença de usuários de drogas. Mas essa situação foi contornada rapidamente.

“Esse foi a primeiro local que atacamos assim que começamos a trabalhar. A simples presença do ônibus já inibiu o consumo de drogas, que tinha sido tornado habitual por ali por ausência do poder público. Os resultados continuam aparecendo, já que aquele local ficou livre de quem cometia esses delitos”, explica o chefe da Guarda Civil, Jeferson Calomeni.

A continuidade do monitoramento foi fundamental para isso. Após a saída do veículo, a Guarda implantou um esquema de rondas periódicas no local. Além disso, o patrulhamento continuou sendo feito, a partir da volta do funcionamento das câmeras da cidade – uma delas fica no Centro de Cultura Raul de Leoni, monitoramento toda a região.

Em seguida, o ônibus serviu como uma central de comando integrado entre Guarda e Polícia Militar durante a Expo Petrópolis. Mais uma vez, o acompanhamento da movimentação do público que aproveitou os shows e demais atrações do evento garantiu que nenhum problema fosse registrado no período da festa. Dois guardas e dois PMs observaram as imagens captadas pelas sete câmeras do veículo – incluindo a que pode ser içada a 11 metros de altura e filmar a uma distância de 300 metros do ônibus.

As imagens ficam registradas por 30 dias e podem ser requisitadas pelas forças policiais, caso seja necessário. No entanto, até hoje, a única anormalidade verificada nas imagens foi um acidente no início desta semana na entrada da Rua Souza Franco, em que um ciclista teve escoriações ao ser atingido por um carro.

Atualmente, o monitoramento das imagens segue sendo feito por uma dupla, que reveza a cada 12 horas. São oito guardas designados para o serviço. O terminal do Centro, as ruas Souza Franco, Paulo Barbosa e Caldas Viana e, principalmente, a Praça Duque de Caxias (Praça do Skate) recebem patrulhamento constante há pouco mais de 20 dias.

Comentários