“Golpista da Sedução”: Polícia alerta sobre ação de golpistas pelas redes sociais em Petrópolis



Diário de Petrópolis: Utilizada por muitos como espaço de entretenimento, a internet tem se tornado uma importante ferramenta para golpes de diferentes modalidades. Falsos e-mails contendo promessas de emprego, cobranças de instituições financeiras, crédito fácil, avisos judiciais, são alguns dos casos investigados pela polícia. Mas o leque de golpes é bem variado.

Segundo a polícia, quadrilhas de “scammers” (golpistas) têm surgido em todo o mundo. “Os bandidos criam perfis falsos em redes sociais, iniciam conversas, aparentemente despretensiosas, até ganhar a confiança das vítimas para poder pedir dinheiro ou oferecer a venda de algum produto de interesse do internauta, desde simples jogos de vídeo games a objetos de altos valores”, diz o delegado André Luiz Pinto Lourenço (foto), da 106ª DP (Itaipava).

Um dos golpes que tem se tornado comum é o Romance Scammers, que pode ser traduzido como “Golpista da Sedução”. É principalmente através de perfis de redes sociais e sites de relacionamentos, que os estelionatários escolhem as suas vítimas. Na maioria das vezes observam apenas o item “relacionamento”. Se a palavra “solteira” é o que aparece, a mulher já está selecionada.

Os alvos preferidos são mulheres aparentemente bem-sucedidas e independentes, mas a polícia faz um alerta: “Por trás de juras de amor eterno, pode existir um experiente golpista com o único objetivo de faturar qualquer quantia, inclusive pequenos valores”.

Para tomar dinheiro das vítimas, os golpistas simulam situações que entre outras variantes, segundo a polícia, envolvem dinheiro para liberação de heranças, para o pagamento das passagens para irem ao encontro da vítima, tratamento de doenças graves ou pagamento de contas hospitalares, para pagar contas, inclusive de telefone, para continuar se comunicando com a vítima e até que precisam se casar rapidamente para receber uma herança deixada por alguém. O ato é considerado crime de estelionato.

Uma petropolitana de 41 anos, que prefere não ter o nome divulgado, conta que os golpistas geralmente dizem que são militares americanos, funcionários de plataformas de petróleo, ou alguma outra profissão onde sejam obrigados a passar longos períodos fora de casa. Eles utilizam softwares de tradução e geralmente as frases ficam sem sentido e com muitos erros de concordância.

“É tão comum que, em pouco mais de um ano, já fui assediada por três golpistas. Acho que isso mostra que muitas mulheres caem com facilidade. Com o segundo, cheguei a trocar mensagens por alguns dias, mas ele desapareceu depois que eu disse que estava desempregada e precisava de ajuda, o que não é verdade”, conta.

Desde o início de maio, ela tem trocado mensagens com outro scammers. Este se identifica como militar americano, que está numa missão de paz, no Afeganistão. As mensagens são diárias e contem todo o tipo de promessas. “Mas, não pretendo interromper a conversa. Vou seguir em frente, pelo menos, até o momento que me pedir dinheiro. Até lá, menos uma mulher será vitimada”

Mas, quem pensa que esse tipo de golpe é aplicado apenas em mulheres, está enganado. Usando as mesmas artimanhas, scammers femininos atacam os homens com a mesma finalidade: conseguir dinheiro.

A tática para pegar um scammer é simples: digitar o nome ou os dados, ou procurar a foto no Google. É grande a chance do algoritmo encontrar alguma referência.