Cachorro como terapia: convivência com cães faz a alegria de idosos



Ter um animal de estimação é algo benéfico não só para uma criança como também para um adulto e até para os idosos, pois a relação que se estabelece com o bichinho é de dependência, pois o gato, cachorro ou qualquer que seja o animal, depende exclusivamente do ser humano para sobreviver.

Entidades já têm incluído os cães no tratamento de quem tem o mal de Alzheimer, pois com a ajuda do animal as pessoas melhoram e assim conseguem desenvolver algumas atividades durante o dia ou o bichinho serve apenas de companhia.

Algumas pessoas atribuem a solidão a velhice, mas não é correto afirmar que há um vínculo entre elas, pois mesmo na terceira idade há idosos que permanecem com sua vida ativa e que mantém suas amizades.

Porém, há aqueles que sofrem com a ausência dos familiares que moram longe e eles precisarão enfrentar a velhice sozinho. Nessas situações, dar um cãozinho de presente é uma alternativa, pois o animal servirá de companhia e, ainda, é capaz de transmitir afeto e calor.

Também é uma alternativa terapêutica, porque os cães tendem a ter algumas atitudes que trarão risadas e assim deixarão os ambientes mais leves mesmo nas horas difíceis. Só o ato de acariciar um cachorro produz estímulos ao cérebro, estimula a produção de endorfinas deixando o ser humano relaxado e livre do stress cotidiano.

As pessoas que compartilham a vida com os cachorros têm a sua natureza social estimulada quando comparada com aquelas que estão socialmente isoladas devido a uma doença ou mesmo por conta de sua condição física.

O cachorro é um bicho muito empregado em terapias destinadas as pessoas que estão na terceira idade, porque, por meio deles, o idoso passa a se sentir útil, pois ele precisa cuidar do seu animal de estimação. Por esse motivo, muitas casas de repouso em São Paulo fazem uso dos animais para esse tipo de tratamento, afinal, como o passar do tempo o idoso perde parte da visão, das suas habilidades motoras e seus ossos acabam ficando mais fracos.

Comentários