Secretaria de Saúde, em 100 dias de governo, regulariza pagamento dos servidores da Saúde e paga dívida com prestadores



A Secretaria de Saúde iniciou a gestão com o desafio de colocar em dia o pagamento dos servidores públicos e de renegociar um montante em dívida que juntos somavam R$ 48 milhões. Entre as principais ações na área de Saúde está a inauguração do Centro de Imagem e o início do funcionamento da máquina de ressonância magnética. O equipamento foi adquirido com verbas federais por R$ 3 milhões há um ano, mas estava parado pois a obra de instalação necessária não foi feita pelo governo anterior.   O governo ainda enfrentou o desafio de imunizar preventivamente e em massa contra a febre amarela, vacinação que atingiu em poucas semanas 115 mil petropolitanos. 

Além de colocar o equipamento para funcionar, a prefeitura concluiu a obra e inaugurou o Centro de Imagens e Central de Digitalização de Exames do Hospital Alcides Carneiro. Com a conquista, a fila com cerca de 4.800 petropolitanos começará a ser zerada.

O prefeito Bernardo Rossi, comunicou que encerrando a fase de application – onde são realizados todos os testes de níveis e exames iniciais, o governo iniciará um processo de mutirão para reduzir a fila de espera do exame.

“A máquina foi inaugurada há um ano, mas sem concluir a obra de instalação do equipamento. Com a capacidade de realizar 20 exames por dias em um ano com o equipamento em funcionamento nós não teríamos filas. Estamos na fase final do application e em breve poderemos iniciar os mutirões para diminuirmos a fila de espera”, anuncia o prefeito Bernardo Rossi.

A secretaria de Saúde passou por uma nova reestruturação que promoveu um censo interno para identificar os profissionais atuantes para promover o remanejamento de equipes dentro da rede. Com os dados foi possível identificar as lacunas de atendimento e por conta disso já foram convocados 20 profissionais entre médicos, psiquiatras, enfermeiros e técnicos de enfermagem.

O secretário de Saúde, Silmar Fortes, explicou que a pasta já iniciou um mapeamento de toda a rede de saúde através de uma parceria com a FioCruz e a Uerj. “Com esse mapeamento será possível avaliar dentro dos nossos 37 postos de saúde da família e 8 unidades básicas de saúde como está o atendimento, quais as especialidades mais procuradas naquela comunidade e o tipo de assistência prestada. Nós já retomamos as obras dos PSF da Posse, Araras e Caxambu que são áreas com grande demanda de atendimento e que estavam sem cobertura”, explica Silmar Fortes.

Novos Fluxos e protocolos promoveram a reorganização de atendimento

Nos primeiros meses de governo, a Secretaria de Saúde identificou a falta de protocolos, fluxos e contratos em exames, procedimentos e atendimentos. Com a reestruturação foram credenciados – 5 leitos de UTI no HCC – Hospital Clínico de Corrêas, 2 leitos de UTI Neonatal e 10 leitos de UCI – Unidades de Cuidados Intermediários no Hospital Alcides Carneiro (HAC). Com o credenciamento, o município passa a receber recursos de manutenção dos leitos.

“Esses leitos eram faturados para a Secretaria de Saúde que arcava com todas as despesas do atendimento do paciente, com o credenciamento a gente passa a receber verbas do estado e federais para o custeio”, explica o secretário de Saúde, Silmar Fortes.

O serviço de ortopedia do Hospital Municipal Nelson de Sá Earp também passou por reestruturação. O hospital dispõe de 4 plantonistas 24h por dia além de disponibilizar a marcação para consultas com os ortopedistas durante todo o dia.

“Antes as pessoas iam para as filas de madrugada para conseguir um número de atendimento. Agora eles podem ir a qualquer hora do dia para marcação. Os ortopedistas também estão em atendimento de manhã e a tarde o que amplia a nossa assistência”, disse Silmar Fortes que complementa que o processo de liberação do risco cirúrgico também mudou: “Paciente às vezes perdia vaga da internação por não ter o exame pronto, agora o médico solicita o risco cirúrgico no ato da internação e em 12h o paciente já tem o resultado”, disse o secretário de Saúde.

Outra dificuldade encontrada pelos pacientes assistidos pelas UPAs e pelo Hospital Municipal Nelson de Sá Earp era o transporte do paciente para transferência para internação ou realização de exames. Para solucionar o problema, a Secretaria de Saúde criou uma central de ambulâncias com regulação do SAMU.

“Estamos em fase final de implantação da central. Pelo novo sistema, o paciente que precisar fazer um exame em alguma unidade de atendimento, ou que estiver em casa e precise de remoção para fazer uma hemodiálise, por exemplo, eles vão acionar o Samu para fazer a remoção. Além disso, nós já recuperamos 22 veículos da nossa frota que estava parada desde o ano passado, ampliado as opções de transporte de pacientes”, explica Silmar Fortes.

Reestruturação e novos serviços oferecidos

A prefeitura de Petrópolis conquistou o repasse federal de R$ 156 mil mensal para a implantação do Programa melhor em casa, onde 26 profissionais prestarão atendimentos domiciliar a pacientes impossibilitados de se locomoverem até às unidades do município.

“Essa é uma conquista muito grande para a nossa cidade que agora poderá oferecer o atendimento aos pacientes em suas residências. A Saúde já realizou um projeto teste com visitas a 20 pacientes e agora nós teremos um fluxo formalmente estabilizado com unidades de referências para atender a nossa população”, anuncia o prefeito Bernardo Rossi.

O serviço de Saúde Bucal reformulou o Programa de Saúde Bucal nas escolas e otimizou os atendimentos nas especialidades odontológicas promovendo o fim das filas para os procedimentos de endodontia e periodontia. A coordenação de Epidemiologia promoveu a imunização de 130 mil moradores – 20 mil apenas em comunidades rurais e de matas com 50 pontos de vacinação e coordenação de Vigilância Sanitária reduziu em 96% os casos de dengue com a reestruturação do programa municipal de controle da dengue.

“São alguns exemplos de ações que já realizamos e que estão em funcionamento para promover o melhor atendimento a nossa população. Nós ainda temos algumas áreas para reestruturar, definir novos fluxos e protocolos, mas a cada ação já promovemos mudanças positivas na qualidade da nossa assistência prestada”, afirma o secretário de Saúde, Silmar Fortes.

Comentários