Petrópolis adere à greve geral e dia 28 será de paralisação



Em consonância com os movimentos grevistas que se espalham por todo o Brasil, trabalhadores de Petrópolis também irão parar durante a próxima sexta-feira (28). O motivo são as reformas da previdência e trabalhista promovidas pelo Governo Federal e em tramitação no Congresso Nacional, além da Lei da Terceirização, já aprovada pela Câmara.

Com a adesão das mais diversas categorias, o Movimento Sindical e Popular de Petrópolis, organizações estudantis, comunitárias e demais representantes da sociedade civil realizarão, também na sexta-feira, junto à greve, uma manifestação no Centro da cidade.

A concentração, na Praça da Inconfidência, está marcada para as 17h e seguirá até a Praça Dom Pedro - mesmo trajeto da última passeata contra a reforma, promovida no dia 15 de março.

Ao longo deste mês, representantes das categorias estiverem nas ruas panfletando e divulgando a greve e o ato contra as medidas. A resposta positiva por parte dos trabalhadores indica um bom número de participantes nas atividades grevistas. A última panfletagem geral está marcada para esta quarta-feira, dia 26, com saída do Sindicato dos Têxteis (Rua Marechal Deodoro, 209) Lá, podem ser encontrados materiais de divulgação da greve e do ato.

AS REFORMAS:

Os brasileiros terão de trabalhar por mais tempo para conseguir a aposentadoria, caso a reforma da Previdência lançada pelo governo Michel Temer seja aprovada. Depois de muitas idas e vindas, o relator da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287/16, que trata da reforma da Previdência apresentou o relatório final para ser discutido e votado na comissão e depois no plenário da Câmara. A Previdência vai exigir um "pedágio" do trabalhador: será preciso trabalhar 30% a mais do que faltaria para alcançar o tempo mínimo de contribuição pela regra atual (30 anos para mulher e 35 anos para homem) na data da entrada em vigor.

Além disso, para se aposentar, mulheres deverão ter pelo menos 53 anos de idade e homens, 55 anos. A proposta prevê que, com o passar do tempo, esse ponto de corte aumente gradativamente até chegar à idade mínima de aposentadoria da regra geral (62 anos para mulheres e 65 para homens). Quando isso ocorrer, em 2038, ninguém poderá se aposentar antes disso, e a regra de transição acaba
Em fase mais adiantada de apreciação está a reforma trabalhista, que teve o regime de urgência aprovado após  feita por Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara. O texto deverá ser votado na quarta-feira 26 em plenário.

SERVIÇO:
Greve geral e ato contra as reformas
Data: 28 de abril de 2017
Local: Praça da Inconfidência (ao lado do terminal rodoviário) - Centro
Horário: 17h

Acompanhe o evento no Facebook:

Comentários