segunda-feira, 3 de abril de 2017

Empresas de transportes de Petrópolis condicionam aumento dos rodoviários ao reajuste da passagem de ônibus



O prefeito Bernardo Rossi recebeu nesta segunda-feira (03.04) 27 rodoviários representando motoristas e cobradores de ônibus das linhas urbanas. O dissídio da categoria, vencimentos que impactam diretamente na tarifa do transporte, foi abordado. Os rodoviários, pela primeira vez, também vão compor um grupo de trabalho junto à CPTrans para apresentar medidas que melhorem trânsito na cidade e, consequentemente, o transporte.

“É preciso que todos saibam que a prefeitura está aberta. Aqui recebemos todas as categorias de trabalhadores. Esse foi o objetivo da reunião, mas também mostrar que tudo na nossa gestão é feito com responsabilidade, sem demagogia. A última gestão negligenciou não apenas a fiscalização do sistema, mas a composição tarifária jogando para a administração essa responsabilidade”, frisou o prefeito Bernardo Rossi.

A reunião foi solicitada pela categoria após as empresas de transportes de Petrópolis condicionarem o aumento nos vencimentos dos profissionais ao reajuste da passagem de ônibus. A última vez que houve alteração no preço da passagem foi em janeiro de 2016, passando de R$ 3,20 para R$ 3,50. 

Novo reajuste deveria ter sido discutido ainda no ano passado, mas foi negligenciado para que atual gestão assumisse a negociação.

            “Muitas melhorias já foram feitas no trânsito nestes três meses. Isso está impactando positivamente no sistema de transporte, mas estamos cobrando das empresas melhores condições para os rodoviários e para o sistema. O transporte é um serviço essencial e precisamos garantir que ele esteja funcionando efetivamente para o cidadão e que os motoristas, fiscais e trocadores também não sejam prejudicados”, disse o prefeito.

            Durante a reunião, Bernardo Rossi lembrou que suspendeu o reajuste abusivo de 11,1% nas contas de água do município, aprovado pela gestão anterior no fim do ano passado e que começaria a valer em janeiro.  “Vai ser assim com todos os serviços, sem aumentos abusivos”, afirmou. O reajuste que passaria a valer a partir de 1º de janeiro estabelecia o aumento de R$ 0,30 por metro cúbico de água, passando para R$ 3m³, valor muito acima da inflação do ano passado, de 7,18% (IGP).

A CPTrans também solicitou aos rodoviários um grupo de representantes para apontar questões ligadas ao trânsito e transportes e alternativas viáveis para ajudar na solução dos problemas. A escolha do grupo, conforme explica o diretor-presidente da empresa, Maurinho Branco, foi motivada pela intensa atuação dos profissionais no tráfego do município.

            “Nossa categoria nunca havia sido chamada para ajudar nas questões ligadas ao trânsito. Sabemos onde existem os gargalos e os demais problemas, pois estamos na rua o tempo todo. Termos a oportunidade de ter voz dentro do órgão que é responsável pelo trânsito é, sem dúvida, um diferencial desse governo e mostra o comprometimento em realmente querer resolver os problemas da cidade”, destaca José da Silva Vieira, há 30 anos rodoviário da PetroIta.

            Maurinho Branco, presidente da CPTrans, diz que a parceria com a categoria vai trazer uma série de benefícios para a cidade. “São os rodoviários que estão todos os dias nas ruas e sabem, melhor que ninguém, os problemas e o que pode ser resolvido. A CPTrans deve ouvi-los e levar em consideração as questões apontadas”, explica.

O diretor-presidente da companhia destacou, ainda, que os profissionais estão sendo ouvidos. “Foram os próprios rodoviários que apontaram o perigo iminente de ir com o ônibus até o final da Bartolomeu Gusmão. Um trajeto que exigia uma manobra arriscada com passageiros dentro e sendo necessário que o veículo andasse de ré por 300 metros. Nossa equipe técnica atestou a reclamação da categoria e descobriu que, quando o itinerário da linha foi aumentado, não houve sequer laudo sobre a viabilidade do trecho. Isso corrobora o caráter político adotado no ano passado, que não levou em conta o perigo aos usuários do transporte público, moradores da região e dos próprios rodoviários”, destaca.

Nenhum comentário: