Três Rios: Cool Embalagens fecha e mais 100 pessoas estão desempregadas no município



No fim da tarde de ontem, dia 3, aconteceu o desfecho da agonia vivenciada pelos 100 ex-funcionários da Fábrica Cool Embalagens, que estava instalada na antiga Santa Matilde, na Rua Isaltino Silveira.  Depois de um feriado tumultuado, a direção da empresa pagou o salário relativo ao mês de fevereiro e se comprometeu perante a Justiça do Trabalho, a acertar os impostos que estavam atrasados, como INSS e FGTS (Fundo de Garantia Por Tempo de Serviço), para depois fazer as rescisões trabalhistas.

De acordo com o procurador jurídico da Câmara Municipal de Três Rios, Oscar Castro, foi feita a penhora de um imóvel no valor de R$ 8 milhões para garantir que todos os direitos dos trabalhadores sejam cumpridos. Para isso, a partir da próxima semana, a diretoria vai se reunir com todos os funcionários para protocolar os acordos trabalhistas.

A polêmica envolvendo a Cool Embalagens começou na última sexta-feira (24), quando os funcionários entraram em recesso de Carnaval. De acordo com os ex-funcionários, a expectativa dos diretores era usar este tempo para desmontar e retirar os equipamentos do local, e quando os funcionários retornassem ao trabalho, no dia 1º de março, não haveria mais o que ser feito e todos seriam demitidos.

Diante do plano, os ex-colaboradores realizaram um plantão em frente à empresa, com o objetivo de impedir a retirada dos equipamentos. Um dos colaboradores procurou o presidente da Câmara de Vereadores, Nilcélio Sá, e o mesmo se comprometeu a ajudar o grupo e, no mesmo momento acionou o procurador jurídico da Casa Legislativa.

“Estávamos no recesso de Carnaval, mas precisava fazer alguma coisa para ajudar aquelas famílias. Eles trabalharam e se dedicaram à empresa então se ela iria fechar, o justo era acertar as contas com todos”, resumiu o vereador.

O presidente da Câmara de Vereadores comunicou a situação ao presidente do Sindiquimp Serrano (Sindicato da Indústria de Material Plástico do Estado do Rio de Janeiro), Márcio Mesquita Malafaia, que acompanhou a situação e impediu que os equipamentos fossem retirados. “Junto ao Sindiquimp, através da pessoa do presidente Márcio, fomos ao Rio e conseguimos uma liminar da juíza de plantão, Gabriela Canellas Cavalcanti, impedindo a retirada dos equipamentos até que fosse dada uma solução para os funcionários da empresa. A reunião aconteceu na quinta-feira, e ficou acordado que os funcionários iriam receber o salário e os impostos serão acertados. Agora eles vão receber o que é de direito”, explicou o presidente da Câmara de Vereadores de Três Rios.

Embora demitidos, os colaboradores ficaram satisfeitos com a conclusão do caso, e agradeceram o envolvimento do vereador, que possibilitou um desfecho bom, dentro do quadro inicial. “A gente ia ser demitido e não sabia como e nem quando iria receber. Pelo menos, depois que o Nilcélio nos orientou, conseguimos garantir nossos direitos. Não é a primeira vez que a diretoria desta empresa faz isso. Foi a mesma história com a antiga Polwax Indústria Química Ltda., instalada na Santa Teresinha”, finalizou uma das ex-colaboradoras.

Nilcélio Sá, que é concursado da Polícia Rodoviária Federal, e filiado em dois sindicatos, falou sobre a satisfação em poder contribuir para a solução deste caso e sobre a importância da sindicalização. “Acredito muito na força do sindicato, não do desconto obrigatório, mas o colaborador tem que ter esta decisão de se sindicalizar ou não. E nesta situação, específica, o sindicato fez toda a diferença e lutou pelos direitos dos sindicalizados, que tiveram seus direitos garantidos”, aconselhou o presidente da Câmara de Vereadores.