Secretaria de Obras tapa-buraco em 115 ruas de Petrópolis

Equipe de manutenção viária tem utilizado tanto a massa quente quanto a fria para melhorar as condições do asfalto em toda cidade

O serviço de tapa-buraco promovido pelo governo do prefeito Bernardo Rossi já passou por 115 ruas de toda cidade. O serviço inclui aplicação do chamado “Concreto Betuminoso Usinado a Quente” (CBUQ) e do asfalto “Pré-Misturado a Frio” (PMF). A maior parte é do asfalto quente, tem mais qualidade: 97 locais. O outro tipo tem a vantagem de não precisar de sol para secar e melhorou as condições de 18 vias neste início de 2017.

“As ruas da cidade foram esquecidas e isso prejudicou demais a segurança dos motoristas. Logo que assumimos o governo, começamos a corrigir esse problema e, hoje, os petropolitanos podem passar em ruas melhores condições do que há seis meses”, afirmou o prefeito Bernardo Rossi, que acompanhou a realização desse serviço em diversos locais como Nogueira, Bairro da Glória, Mosela e Independência.

Um caminhão com asfalto quente transporta 17 toneladas de material, que pode cobrir cerca de 120 m³. Nesses pouco mais de dois meses, já foram utilizados 460 toneladas massa asfáltica pela equipe de manutenção viária.

Já o asfalto frio é produzido pela própria Secretaria de Obras. Cada dia em que ele é usado, um caminhão leva de 6 a 8 m³ de massa – dependendo da demanda do local. Até agora, foram utilizados cerca de 50 m³ de material asfáltico.

Em ambos os caso é preciso fazer pintura de ligação do asfalto e depois usar o compressor para fixar o asfalto no local indicado.

“A nossa prioridade é por asfalto quente, que tem maior durabilidade. Mas nem sempre é possível utilizar esse tipo de material por causa da fixação do asfalto. Em dias mais secos, é melhor utilizar a massa fria, que é feita pela usina própria da secretaria de Obras. Com isso, nós conseguimos avançar nesse trabalho que é primordial para a cidade”, destaca o secretário de Obras, Ronaldo Medeiros. 

Comentários