CPTrans emite 177 multa às empresas de transportes público por má prestação nos serviços



As empresas de transporte público de Petrópolis estão recebendo 177 multas aplicadas pela Companhia Petropolitana de Trânsito e Transportes (CPTrans), responsável pela fiscalização.

Este é o resultado da inspeção feita em janeiro, que resultou em 219 notificações às permissionárias. As empresas corrigiram 42 dos itens apontados. A fiscalização vai ser intensificada e a CPTrans pode tirar o veículo irregular de circulação e obrigar a empresa a substituir o coletivo em questão. Também é prevista multa pelo não cumprimento do contrato e a reincidência pode acarretar em suspensão da permissão à empresa infratora.

            “Precisamos ser firmes para garantir um transporte público de qualidade à nossa população. O trabalhador deve ter seu direito de ir e vir assegurado, com conforto, em um coletivo que seja adequado ao transporte. Vamos manter uma postura firme, cobrando um serviço cada vez melhor. A população não pode ser penalizada pelos problemas das empresas”, destacou o diretor-presidente da CPTrans, Maurinho Branco.

            Durante a fiscalização, técnicos da Companhia encontraram problemas de limpeza, bancos rasgados, lanternas queimadas, extintores de incêndio com defeito, falta de adesivos de lotação, propagandas tampando a numeração da linha, bancos soltos, falta de braço de apoio para cadeirantes, luz de freio danificada, teto com avarias, entre outros problemas. Uma lista foi entregue a cada uma das cinco empresas para que elas resolvessem as situações apresentadas.

            Petrópolis conta com uma frota de 366 veículos circulando todos os dias no Centro e distritos. Há, ainda, 20 carros reservas, utilizados quando um veículo quebra ou tem algum problema que o impede de circular. Das 177 multas, 65 serão enviadas à Petro Ita, 50 à Turb, 37 à Cascatinha, 13 à Cidade Real e 12 à Cidade das Hortênsias. As empresas têm o direito de recorrer das multas.

            Em janeiro, quando a CPTrans realizou a fiscalização na Transpal, encontrou uma série de irregularidades nos dois ônibus que, à época, atendiam as linhas. Em um deles foram encontradas sete avarias, que foram notificadas. O outro sequer foi autorizado a circular, devido às péssimas condições do veículo. A empresa também vinha descumprindo outras obrigações, como a não garantia dos horários e colocando, inclusive, a vida dos usuários em risco, sendo impedida, portanto de atuar em Petrópolis.

            “Nosso objetivo é sempre levar à população um serviço de qualidade. Se uma empresa não cumprir com suas obrigações vamos notificar, solicitar os reparos e, caso não realize as alterações necessários vamos multa-las. O caso da Transpal é um exemplo disso. Desde que assumimos já pegamos uma série de reclamações dos usuários. O flagrante do motorista bêbado foi a gota d’água para intervirmos. Não podemos permitir que esse tipo de coisa aconteça na cidade”, finalizou o diretor técnico operacional, Luciano Moreira.