Bernardo afirma que vai cumprir as metas e ao mesmo tempo arrumar a casa, ordenar as contas, sanear as finanças, planejar e projetar o futuro



O prefeito Bernardo Rossi apresentou aos vereadores na tarde desta quarta-feira (18.01) o plano de metas que irá orientar as ações do governo nos próximos quatro anos. A apresentação, entregue ao presidente da Câmara, Paulo Igor, foi feita no plenário do Palácio Amarelo, durante a primeira sessão legislativa de 2017. O prefeito expôs aos 15 parlamentares um panorama da situação de caos financeiro apurado nas contas do município, que tem uma dívida de R$ 130 milhões referente ao ano de 2016 e um passivo acumulado de R$ 565 milhões. Bernardo Rossi falou sobre a medidas adotadas desde o primeiro dia de governo para reduzir os gastos, como o corte de despesas com aluguel de 88 imóveis, que consomem por ano mais de R$ 6,4 milhões.

“Vamos cumprir nosso plano de metas e ao mesmo tempo arrumar a casa, ordenar as contas, sanear as finanças, planejar e projetar o futuro.

Estamos reduzindo 30% quantidade de aluguéis, dos cargos comissionados, devolvendo celulares, enxugando as contas, enfim, fechando as torneiras do desperdício”, disse o prefeito aos vereadores.

Bernardo  Rossi falou sobre a atuação da equipe que garantiu, ainda na primeira semana de governo, destinação de R$ 1,8 milhão para a área de Saúde. “Com o programa “Melhor em Casa” do Ministério da Saúde, poderemos levar o atendimento médico às casas das pessoas com dificuldade de locomoção”, anunciou.
A recuperação de recursos junto ao Prodetur para aterramento da fiação na Rua do Imperador e de recursos para a retomada das obras em quadras poliesportivas do Morin e do Pedras Brancas (Mosela) foi citada pelo prefeito, assim como recursos recuperados para investimentos em segurança pública.

 “Conseguimos garantir nos primeiros dias de governo R$ 500 mil para investimentos em um sistema de monitoramento que dará mais segurança à cidade”, disse, acrescentando ainda que “a prefeitura conseguiu colocar aqui na Praça da Águia, o ônibus de monitoramento, que estava parado há mais de 3 anos, e que deu mais segurança a esta área”, anunciou o prefeito, lembrando que o ônibus será levado a outras praças do Centro.

O prefeito citou ainda a situação financeira do município lembrando que um levantamento feito pela Secretaria de Fazenda mostra que somente na área de Saúde o município deve hoje R$ 48 milhões, sendo R$ 15 milhões referentes a atendimentos feitos pelo Hospital Santa Teresa – única unidade responsável pelos atendimentos de urgência e emergência na cidade. 

A Secretaria de Fazenda identificou também pendências nos repasses de Pasep, INSS sobre notas fiscais de serviços e Seguro de Acidente de Trabalho, que totalizam R$ 22,6 milhões, além de parcelas de empréstimos consignados recolhidos nos contra-cheques de funcionários e não repassados ao Banco do Brasil e à Caixa  Econômica, que totalizam R$ 3,8 milhões. Também foram identificados débitos junto ao Sindicato dos Servidores Públicos, que chegam a R$ 1,3 milhão referentes ao Cartão de Compras Sisep que,da mesma forma que as parcelas de consignados, foram descontados dos salários dos servidores e não repassados.
Bernardo lembrou ainda uma dívida de R$ 16 milhões arrestados pela Justiça das contas do município para pagamento de salários em dezembro. Os valores foram retirados de contas do PAC das Encostas e da Merenda Escolar e estes recursos terão de ser repostos na sua administração. 

O prefeito falou aos vereadores sobre a auditoria iniciada pelo Tribunal de Contas do Estado na segunda-feira (16.01), medida que considerou positiva. “A avaliação dos técnicos do TCE é muito bem-vinda, porque vai ratificar o que vimos demonstrando: caos financeiro e desordem completa da administração municipal”, disse Bernardo Rossi.

O prefeito destacou a importância do bom relacionamento entre prefeitura e vereadores no trabalho em prol da recuperação da economia e do desenvolvimento da cidade. “Vamos nos empenhar por esta parceria. Nossa cidade precisa que os homens públicos coloquem as questões partidárias de lado e possam avançar nas políticas públicas. Quero voltar sempre a essa casa, onde iniciei minha trajetória política, porque este também é o papel do prefeito: ser acessível a todos, ter diálogo e sintonia”, pontuou o prefeito. 

“Manter o diálogo aberto, ter acesso e uma boa interlocução com o prefeito para apresentar as demandas que a população traz à Câmara e juntos buscarmos soluções, é a melhor forma de construirmos uma cidade melhor. Estou certo de que esta parceria entre a Câmara e a prefeitura só trará benefícios aos petropolitanos”, avalia o presidente da Câmara de Vereadores, Paulo Igor (PMDB).