Rossi vai herdar uma dívida de R$ 130 milhões e pode perder recursos da União



A equipe do prefeito eleito, Bernardo Rossi, coloca mais dúvida na situação dos pagamentos dos servidores. Mais cedo nesta semana, a equipe de transição tornou público que a prefeitura possui uma dívida de R$ 130 milhões e está com o caixa zerado. Também disse que não haveria garantias para a segunda parcela do 13º o salário do mês, o que é conflitante com a versão da prefeitura.

Rossi diz também que o arresto das contas fará com que seu governo tenha que arcar com os custos dos pagamentos do governo atual. Isso porque o arresto nas contas determinado pela Justiça atinge as verbas vinculadas (ou “carimbadas”), que são os recursos enviados pela União para programas específicos, que a prefeitura não poderia, por conta própria, remanejar para pagar os funcionários. Só o bloqueio das contas pela Justiça é capaz de dar outro uso para esse dinheiro, que é o que ocorre agora.

Mas a equipe do próximo prefeito reclama que esse dinheiro depende de prestação de contas para continuar chegando do Governo Federal. Ou seja, os recursos retirados para quitar dívidas e folha de pagamento terão de ser repostos em janeiro, quando a nova administração já vai aumentar a folha em R$ 2 milhões para os servidores por causa do reajuste de 6%, que foi adiado em julho para o ano que vem.

Ainda segundo a equipe, o arresto retira das contas verbas para programas de reforma em escolas e creches, da Defesa Civil e de contenção de encostas.

“Todo o arresto que se der neste período terá impacto na próxima gestão. Não temos todos os documentos e acessos às contas municipais que necessitamos para ter o diagnóstico preciso da saúde financeira da cidade, mas preliminarmente classificamos a situação como de extrema gravidade”, analisa Renan Campos, coordenador da equipe de transição de Bernardo Rossi. Em reunião na última quinta-feira (08.12) a equipe já pediu esses documentos.

fonte: Diário de Petrópolis

Comentários