Bernardo Rossi quer informações sobre o pagamento das folhas de novembro, dezembro e 13º salário



O terceiro encontro de trabalho das equipes de transição está marcado para a segunda-feira ( 28.11), às 15h, na Procuradoria do Município. A equipe do governo eleito de Bernardo Rossi espera receber neste dia documentações que mostrem a previsão de receita para o pagamento do funcionalismo, incluindo o 13º salário, até o final do ano. Estas folhas de pagamento somam R$ 111 milhões. Nesta reunião de trabalho estão sendo aguardados os secretário de Fazenda, Paulo Roberto Patuléia e de Administração, Henrique Manzani. As reuniões de trabalho serão “temáticas”, a pedido da atual gestão e optou-se por privilegiar encontro com os titulares destas pastas, a pedido da equipe de Bernardo Rossi, para que sejam prestadas informações sobre receitas e despesas.

“A real situação financeira do município é a questão principal. É a partir daí que o governo eleito consegue planejar sua atuação e o objetivo é não haver descontinuidade dos serviços básicos à população e garantia da quitação dos salários dos servidores”, afirma o coordenador da equipe de transição, Renan Campos.

A primeira parcela do 13 º salário tem de ser quitada até quarta-feira (30.11) e a segunda até 20 de dezembro. Também há os pagamentos de novembro, também no dia 30 e do último mês do ano, dia 29 de dezembro. Cada uma das folhas representa desembolso de R$ 37 milhões. São quase 11 mil servidores entre ativos, aposentados e pensionistas que aguardam os vencimentos para estas datas.

Em janeiro, com os 6,2% de reajuste do funcionalismo adiados pela atual administração para a nova gestão, a folha de pagamento vai a R$ 39 milhões.  “Estamos acompanhando a votação da Lei Orçamentária para 2017 e já há realocação de R$ 39 milhões do orçamento do próximo exercício para a folha de pagamento da saúde já que há previsão de rombo que chegaria a R$ 60 milhões. Estamos acompanhando cuidadosamente todos estes desenrolares, mas há necessidade de entrega de documentos oficiais para aprofundar o estudo. Estamos cobrando estes documentos”, aponta Renan Campos.