Insegurança na Rua Teresa - Um assalto e quatro arrombamentos em apenas seis dias


Além da crise econômica que afeta lojistas, assaltos e arrombamentos são problemas constantes

Em menos de uma semana, pelo menos quatro arrombamentos e um assalto foram registrados na Rua Teresa, no Centro. A falta de segurança é apontada por lojistas e moradores da região, que se dizem vulneráveis à criminalidade. Dados do Instituto de Segurança Pública (ISP), do estado, são de 165 furtos registrados na área da delegacia do Retiro apenas em julho de 2016.

De acordo com um comerciante que preferiu não se identificar, no último dia 10 de setembro, um homem armado entrou em um conjunto de lojas. O indivíduo teria entrado em um dos estabelecimentos no momento em que havia apenas uma atendente e anunciou o assalto. Ele teria pedido o dinheiro que estava no caixa. A jovem informou ao homem que ainda não havia vendido nenhum produto e que o caixa estava vazio. O homem pediu o aparelho celular da jovem e em seguida fugiu.

No último dia 14, durante a madrugada, foi a vez de duas lojas serem alvos de arrombamentos. As duas, com portas de vidro, tiveram os “canhões” da fechadura estourados e foram arrombadas. A ação dos criminosos não foi apenas voltada para mercadorias, mas também a mobiliário e utensílios do estabelecimento.

Dois dias após este crime, outros dois estabelecimentos comerciais foram alvos de novos arrombamentos. Segundo um dos lojistas, que tem câmera de monitoramento, em um dos crimes o homem teria desarmado o equipamento e em seu estabelecimento, como estava escondido, as imagens flagraram o indivíduo por volta das 4h, levando objetos e procurando as câmeras para retirar.

Outros problemas refletem na falta de segurança

Moradores da Rua Teresa garantem que em outros tempos o local foi mais seguro. O problema que começa com assalto e vai a arrombamentos, começa com ausência de estrutura que eles garantem que são facilitadores.

Um jovem que preferiu não se identificar, disse que reside na “Servidão 694”. De acordo com ele, o local não tem iluminação. Isso acontece em outros pontos.

– Querendo ou não é um facilitador. Existem várias saídas da Rua Teresa. Principalmente por servidões, que não têm iluminação e dão acesso à Rua 24 de Maio. Se instalassem pelo menos lâmpadas, já melhoraria muito – afirmou.

O mesmo morador garantiu que observa o movimento de segurança pela localidade e a aproximadamente três meses, a Polícia Militar não tem feito rondas.

- Antes a cada 20 minutos uma viatura era vista circulando por aqui. Agora é muito difícil. Os criminosos se aproveitam disso para poder agir – disse.

Outro ponto apontado por um morador da localidade foi o transito em mão única. Durante a madrugada ele garante que veículos são vistos passando em alta velocidade.

- Parece uma pista de corrida. Por saberem que se trata de mão única, não têm preocupação com encontrar com outro veículo. Aceleram. Alguns carros passam a mais de 100 km/h – garantiu.

Sobre as questões que se referem à iluminação pública, a secretaria de Obras informou que enviará equipes ao local para averiguar a denúncia.

Crimes registrados

Pelo menos três dos quatro casos foram registrados pela Polícia Civil. Os crimes estão aos cuidados do Setor de Roubos e furtos, da delegacia do Retiro. Em Petrópolis, foram 193 casos de furtos registrados nas unidades policiais do município. Em relação aos furtos, foram 23. Na delegacia da área aonde os casos na Rua Teresa foram registrados, 165 furtos e 20 roubos.

PMs no Rio de Janeiro

Os 50 Policiais Militares de Petrópolis que atuaram no Rio de Janeiro reforçar a segurança dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 podem retornar antes do previsto. O comandante do 26º Batalhão da PM, tenente-coronel Eduardo Vaz Castellano, disse ao Diário que existe uma possibilidade de eles retornarem antes do dia marcado, que é 30 de setembro. Mas essa possibilidade ainda não está confirmada.

Atualmente, há 50 policiais do batalhão de Petrópolis atuando na capital. Eles recebem café da manhã aqui no município, e depois são transportados pela corporação até o Rio. Esse esquema vem funcionando desde o início do mês.

Todo o efetivo estará atuando em Petrópolis a tempo de fazer o esquema de segurança das Eleições. Mas a diferença para o dia a dia da cidade não será grande. Esses 50 policiais foram repostos por outros 50, que trabalham em regime extraordinário. Eles tiveram as férias canceladas, e serão ressarcidos depois do dia 30. Para afastar quaisquer temores da população, a PM também está atuando com 20 policiais a mais em regime extraordinário durante esse período.

Via Diário / Bernardo Rocha

Comentários