Greve dos bancários começa hoje por prazo para terminar



A greve dos bancários teve início à 0h desta terça-feira (6). A categoria está em negociações salariais e ainda não chegou a um acordo. Porém, ainda não foi definido se será realizado um rodízio de abertura entre as agências.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Bancários de Petrópolis (SindBancários), Marcos Alvarenga, isso só será acertado hoje, após ser conhecido o tamanho da adesão.

– Na própria assembleia, nós falamos da importância da adesão da categoria. Se não tiver adesão, só a diretoria não consegue fazer o movimento, há menos diretores do que agências bancárias em Petrópolis. Quem quiser, pode aparecer no sindicato ou nas portas das agências. A partir disso, sabendo qual a adesão, é que nós vamos traçar a estratégia dessa greve, se terá revezamento ou não – disse Alvarenga.
Porém, Alvarenga ressalta que, mesmo que exista um rodízio, isso não significa que os bancários não estejam em greve. Vale lembrar que Petrópolis tem 35 agências e quase 700 bancários.

Os bancários querem reajuste de 14,7%: inflação dos últimos 12 meses, segundo o IBGE (9,7%), mais aumento real de 5%. A Fenaban (Federação Nacional dos Bancos) ofereceu reajuste de 6,5% – ou seja, sequer repõe perda inflacionária – mais um abono de R$ 3 mil. A categoria ainda fez outras reivindicações, como contratações e fim do assédio moral, mas houve qualquer sinalização da Fenaban sobre esses temas.
Vale lembrar que é possível atendimento nos caixas eletrônicos das agências e ainda nos serviços on-line de cada banco.

Vigilantes do Santander paralisados

Os vigilantes da empresa Transvip, que fazem a segurança das agências do Santander em Petrópolis, estão paralisados desde ontem. Eles reclamam por estarem sem horário de almoço.

Segundo o presidente do sindicato da categoria, Adriano Linhares, o problema é que a empresa demitiu os funcionários responsáveis pelo rendimento de almoço (são aqueles que chegam no horário da refeição para substituir os que estão em serviço).

- O vigilante precisa almoçar entre 9h e 10h, ou depois das 16h. Ou seja, está sem almoço. Semana passada, um deles passou mal. Até que a situação se resolva, nenhum vigilante entra na agência.
Linhares e outros representantes do sindicato estenderam uma faixa na agência do Santander na Rua Paulo Barbosa, em protesto.

O Diário procurou o Santander, mas não obteve um posicionamento até o fechamento desta edição. O responsável pela Transvip não pode ser encontrado.

fonte: Diário de Petrópolis