Greve continua; em Petrópolis, quatro bancos estão fechados nesta terça


Não houve acordo na reunião de quinta-feira (15) com a Fenaban.

A greve dos bancários entra na terceira semana sem previsão de acordo com o patronal. A última reunião com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) aconteceu na quinta-feira (15). Em Petrópolis, na Região Serrana do Rio, o sistema de rodízio é mantido nas 37 agências. Nesta terça-feira (20), Santander e HSBC não abrem, além do Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal.

Em Friburgo e Teresópolis as agências continuam fechadas com atendimento apenas pelos caixas eletrônicos e serviços essenciais. Em Petrópolis, apenas o Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal mantêm as portas fechadas durante todo o período da greve.

A Fenaban ofereceu aos profissionais reajuste salarial de 7% e abono de R$ 3,3 mil. A proposta não agradou a categoria, que decidiu manter a paralisação. Segundo a federação, não há data para novas negociações.

Em Friburgo, onde há 22 agências bancárias e aproximadamente 400 bancários, os bancos continuam fechadas. O mesmo ocorre em Teresópolis, que possui 16 agências e 250 funcionários, de acordo com dados do sindicato. Ambas as cidades, no entanto, aderiram à greve no dia 8 de setembro, depois da adesão nacional.

A decisão pela paralisação foi tomada após assembleia realizada no dia 1º de setembro. A categoria rejeitou a proposta da Fenaban de reajuste de 6,5% sobre os salários, a PLR e os auxílios refeição, alimentação, creche, e abono no valor R$ 3 mil. 

Os sindicatos alegam que a oferta não cobre a inflação do período e representa uma perda de 2,39% para o bolso de cada bancário. Os bancários querem reposição da inflação do período mais 5% de aumento real, valorização do piso salarial - no valor do salário mínimo calculado pelo Dieese (R$ 3.940,24 em junho) -, PLR de três salários mais R$ 8.317,90, além de outras reivindicações, como melhores condições de trabalho.

A Fenaban disse em nota que "o modelo de aumento composto por abono e reajuste sobre o salário é o mais adequado para o atual momento de transição na economia brasileira, de inflação alta para uma inflação mais baixa".
Atendimento

Em nota, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) disse que os clientes podem usar os caixas eletrônicos para agendamento e pagamento de contas (desde que não vencidas), saques, depósitos, emissão de folhas de cheques, transferências e saques de benefícios sociais.
Nos correspondentes bancários (postos dos Correios, casas lotéricas e supermercados), é possível também pagar contas e faturas de concessionárias de serviços públicos, sacar dinheiro e benefícios e fazer depósitos, entre outros serviços.

Via G1
Foto: Fabiana Lima/Inter TV

Comentários