Bernardo Rossi vai garantir capina e coleta de lixo para manter a cidade limpa e organizada


– Manter a cidade limpa, capinada e organizada não é um favor, mas obrigação do nosso governo – garante Bernardo Rossi, que ouviu sobre o mesmo problema em duas localidades do Retiro, onde esteve nesta terça-feira (13). Candidato a prefeito pela coligação Petrópolis no Coração, Bernardo Rossi visitou as comunidades da Cocada e Neylor, onde os moradores apontaram a mesma deficiência no serviço de coleta de lixo e capina. Bernardo é candidato pela coligação formada por PMDB, PP, PSC, PSDC, DEM, PSL, PTC, PRTB, PV, PDT, PEN, Pros, PSDB, PMB, PRP, PTB e PHS.

– Não é possível que com R$ 3 milhões gastos mensalmente com a coleta de lixo a cidade ainda esteja do jeito que vemos, com lixeiras transbordando e a cidade tomada por mato. Lixo também é questão de saúde. Temos que ampliar a coleta diária nos domicílios que ainda fazem em dias alternados e ampliar também o número de caçambas, mas garantir a coleta nessas lixeiras também. E ainda aumentar o número de funcionários que fazem a capina e criar um calendário para cobrir todas as localidades e garantir que todos os bairros serão atendidos – afirma Bernardo Rossi.

Hoje, somente metade da população de Petrópolis tem coleta diária na porta de casa. E a cidade produz 250 toneladas de lixo por dia. A outra metade da cidade só conta com caçambas e mesmo assim em quantidade insuficiente. É preciso garantir que esse serviço de coleta e limpeza, essencial para a organização do município, seja cumprido.

– Somos uma cidade turística. Temos que receber nossos visitantes com uma cidade limpa e organizada, mas antes de tudo pensar no morador que paga seus impostos corretamente e merece respeito e todos os serviços prestados com qualidade e eficiência. Só de IPTU são R$ 58 milhões arrecadados por ano e a taxa de limpeza já vem embutida no IPTU, então é um serviço já pago. A empresa responsável pela limpeza da cidade recebe, por ano, R$ 39 milhões da prefeitura para prestar o serviço. Então não tem porque a cidade estar no meio de lixo e mato. É preciso gestão e cobrar a prestação do serviço – defende Bernardo Rossi.