Festival Literário Petropolitano promete movimentar a Cidade Imperial



Em 2016, com a cara, coragem e muito amor pela Literatura, a cena cultural independente da cidade, formada pela Academia Brasileira de Poesia – Casa de Raul de Leoni, a Academia Petropolitana de Educação, o Jornal Com Texto, a Confraria da Poesia Informal, a Bem Cultural Editora, entre outros escritores e grupos literários atuantes em Petrópolis, resolveram se juntar e realizar o II FELIPE – Festival Literário Petropolitano, mesmo não sendo ele selecionado pelo edital de verbas disponibilizadas pelo Fundo Municipal de Cultura.

A iniciativa tem coordenação da presidente da Academia de Poesia, Catarina Maul, que capitaneou seus pares e, juntos, se comprometeram a realizar da melhor forma e mais inclusiva, as atividades que representam a Literatura na cidade.  A mesma tem se reunido com alguns formadores de opinião como Jaime Moreno, representante titular da cadeira de Literatura do Conselho Municipal de Cultura, Leandro Garcia, Sergio Gerônimo e Mozart Carvalho, diretores da Academia Brasileira de Poesia, Ataualpa Pereira, presidente da Academia Petropolitana de Educação, entre inúmeros outros escritores, para formatar o festival. O evento será realizado em setembro, de 22 a 25, na Casa da Educação Visconde de Mauá, Casa Claudio de Souza e outros espaços.

Vários autores estão aguardando para lançar seus livros no FELIPE e muitos intelectuais disponibilizaram atividades como palestras, oficinas, na intenção de colaborar com o incentivo de formação a novos leitores e escritores.

O evento terá, durante todos os dias, visitação à exposições temáticas, feira de livros de autores independentes, rodas de conversa e debates.

Entre os livros a serem lançados, estão a História do Quitandinha -  Luiz Carlos Boralli, Primeiros Poemas – Francisco S. Esteves, A Casa da Bruxa – Tânia Vidal, Teodoro, o Ratinho Sapeca e Marco e a Grande Viagem – Alessandra Papinutto, Mulheres na Ficção Brasileira – aproximações e distanciamentos -  Helena Arruda, entre outros.

Será apresentado, na íntegra, o espetáculo Contando e Cantando os Sonhos de Dumont, junto ao relançamento do livro de mesmo nome, de Catarina Maul.

Muitas oficinas literárias serão ministradas na programação, entre elas a Oficina de Processo Criativo da Escrita – John Dekowes, Oficina Diversidade nos Textos Literários -  Nilane Costa e Oficina da Experimentação do Poema - Matheus Mineiro.

Palestras também compõem a grade de programação, como a do Prof. Ataulpa Pereira, com título Palestra: O Ex-estrangeiro, uma reflexão sobre a poesia de Paulo Leminski e Mulheres na Ficção Brasileira – aproximações e distanciamentos, de Helena Arruda.

Sarau poético, mesas redondas, contações de história e apresentações musicais também comporão os quatro dias de atividades gratuitas.

Realizar o FELIPE de forma independente é mais uma prova da necessidade de espaços para a Literatura na cidade, pois em festivais como esse, muitos trabalhos ocultos vêm à tona, valorizando a labuta silenciosa daqueles que militam para a construção de livros e a sua valorização.
Mais detalhes, em breve, através da imprensa. 

Comentários