PM fala sobre prevenção a tentativas de apagar a Tocha Olímpica em Petrópolis, RJ



Em todo Brasil, já foram algumas as tentativas de apagar o fogo olímpico durante a passagem da tocha. Pelo Facebook, já há quem manifeste a mesma intenção para quando o revezamento acontecer em Petrópolis, na próxima sexta-feira (29). Mais de 1,4 mil afirmaram que têm interesse nesse “evento”. A Polícia Militar comentou que vai monitorar atitudes suspeitas do público e quem estiver portando objetos como baldes ou extintores.

Em Maracajú (MS), em Cascavel (PR) e em Maringá (PR), três pessoas tentaram apagar o fogo olímpico. No primeiro caso, um homem jogou um balde d’água enquanto a tocha passava pela cidade. No segundo, outro homem usou um extintor de incêndio. Já no último, uma mulher utilizou um cartaz escrito “Fora Temer” para tentar apagar a chama. Nenhum dos três conseguiu e ainda acabaram presos.

Para o comandante da PM em Petrópolis, tenenete-coronel Eduardo Vaz Castelano, o objetivo de quem faz isso é realizar mais uma manifestação por causa da realização de um evento tão grandioso enquanto o país passa por severas crises política e econômica e que, por isso, são contrárias às Olimpíadas.

– Quem faz é gente que está se contrariando com as Olimpíadas por causa de todos os problemas que tem no país. Mas acho que fica feio para o povo, não de Petrópolis, mas de todo estado. Esperamos que só vá acompanhar quem tem o objetivo de aproveitar o revezamento – comenta.

De acordo com ele, a atuação da PM será de forma preventiva, para preservar a ordem no trajeto por onde o revezamento vai passar. Pessoas com materiais estranhos ao evento, como baldes ou extintor, ou mesmo em atitude suspeita, como invadir a pista para tentar se aproximar da tocha, serão abordados para evitar qualquer problema. A segurança da tocha e do palco que será montado no Quitandinha é de responsabilidade da Força Nacional de Segurança – já a PM cuida de todo entorno na cidade.

O trabalho da Polícia Militar, inclusive, teve início na última segunda-feira. Na entrada da cidade, por exemplo, foram colocados cães para auxiliar no trabalho de 90 homens destacados para esse serviço. Polícia Rodoviária Federal (PRF), Polícia Civil, Guarda Civil, Bombeiros e Secretaria de Segurança Pública também participam do esquema de segurança do revezamento.

fonte: Diário de Petrópolis

Comentários