Dados sobre os casos de dengue, febre chikungunya e zika vírus são apresentados em Petrópolis



A Prefeitura apresentou nesta terça-feira (23/2) durante reunião do Conselho Municipal de Saúde (Comsaúde), os dados sobre os casos de dengue, febre chikungunya e zika vírus transmitidos pelo mosquito aedes aegypti. Neste ano, três casos de dengue foram confirmados e a Coordenadoria de Epidemiologia aguarda o resultado de 83 exames que foram encaminhados para os laboratórios do governo do Estado do Rio de Janeiro, que são responsáveis pela realização dos testes que identificam as doenças. 

“Esses casos foram notificados ao governo estadual e estamos tratando como suspeitos porque ainda não foram feitos testes para confirmar a dengue. Todas as amostras de sangue foram envidas aos laboratórios do Estado, mas, até o momento, ainda não recebemos nenhum resultado confirmando sorologicamente os casos. O que o Estado nos responde é que não há kits para fazer os exames”, explicou a coordenadora da Epidemiologia, Claudia Mara.

Também foram apresentadas ao conselho as notificações do zika vírus. Até o momento não há casos confirmados e o município aguarda os resultados de 30 exames, também feito pelo governo do Estado.  A coordenadora explicou ainda que o Estado está priorizando as gestantes em relação à sorologia dos casos de zika vírus. “Estão fazendo os testes prioritariamente nas gestantes, por conta dos riscos da microcefalia. No restante da população que apresenta sintomas, tratamos como casos suspeitos. Isso porque não há confirmação por sorologia”. Atualmente, 25 gestantes estão sendo acompanhadas por apresentarem sintomas do zika vírus. No caso da febre chikungunya, não há casos confirmados nem suspeitos.

Para o secretário de Saúde Marcus Curvelo é importante que as pessoas continuem mantendo os seus terrenos limpos para evitar a proliferação do mosquito. “Esta luta é de todos nós, poder público e sociedade juntos. E o papel do Comsaúde é fundamental para levar essa mensagem a todos”, ressaltou.

UPAS – Durante a reunião do Conselho Municipal de Saúde, o secretário de Saúde Marcus Curvelo também falou sobre a falta de repasses, por parte do governo do Estado, para o custeio das duas Unidades de Pronto Atendimento (UPAS Centro e Cascatinha). A dívida já chega a R$ 8,8 milhões Marcus informou que está enviando um terceiro ofício à secretaria de Estado de Saúde solicitando uma audiência com o secretário. 

“Essa questão está sendo judicializada e estamos reiterando a solicitação de audiência com o secretário de Estado de Saúde para que ele converse conosco e nos dê uma posição”, disse Marcus Curvelo. Desde março de 2015, o governo estadual não repassa os valores que são de R$ 400 mil para cada UPA.

Para evitar o fechamento das UPAS Centro e Cascatinha e garantir o atendimento em todas as urgências do município (Hospital Municipal Dr. Nelson de Sá Earp, PS Alto da Serra, SPAS Posse e Pedro do Rio, e Hospital Alcides Carneiro), a Prefeitura iniciou um primeiro de fevereiro um Plano de Reestruturação da Rede Municipal de Urgência e Emergência, chamado de “Plano de Salvamento das UPAS”.

“Já que o Estado abandonou as UPAS da nossa cidade, a Prefeitura está assumindo e mantendo todos os atendimentos em todas as unidades, sem fechar uma única porta de entrada”, disse o prefeito Rubens Bomtempo. 

Veja como estão os atendimentos de urgência e emergência:

Hospital Municipal Dr. Nelson de Sá Earp – atendimento de ortopedia e psiquiatria.
PS do Alto da Serra – atendimento de clínica médica.
UPA Centro – atendimento de pediatria, odontologia e clínica médica.
UPA Cascatinha – atendimento de pediatria, odontologia e clínica médica.
*A população conta ainda com o Hospital Alcides Carneiro e os Serviços de Pronto Atendimento da Posse e Pedro do Rio

Comentários