Prefeitura recebeu R$ 16 milhões à mais para UPAs



Ascom/CMP: Em reunião com o juiz titular da 4ª Vara Cível, Jorge Luiz Martins, na tarde desta quinta-feira (26.11) a prefeitura admitiu ter  recebido R$ 16 milhões à mais para investimentos nas duas UPAs do município. A verba vem sendo destinada pela União às duas unidades desde que a “qualificação” das UPAS, em março de 2013. Desde então as UPAs Centro e Cascatinha passaram a receber cada uma, por mês, R$ 500 mil -  R$ 250 mil a mais do que o valor estipulado quando as unidades foram implantadas em 2012. A qualificação permitiu um repasse mensal de R$ 1 milhão somente em recursos do Fundo Nacional de Saúde  para as duas UPAs faixa 3. Os recursos são federais depositados diretamente na conta do Fundo Municipal de Saúde. O valor pela diferença à mais nos cofres da Fundação Municipal de Saúde, totaliza R$ 16 milhões. “Foi uma surpresa pra todos nós a informação sobre este valor. Vamos analisar com calma o que pode ser feito e buscar informações mais precisas sobre quando estes recursos entraram na conta do município e como foram aplicados”, diz o presidente da Câmara de Vereadores, Paulo Igor, que acompanhou a audiência no fórum assim como outros nove vereadores.

O anúncio dos recursos foi levado pelo presidente da Câmara de Vereadores, Paulo Igor (PMDB), ao plenário logo após a reunião. A informação foi prestada ao juiz Jorge Martins por representantes da Secretaria de Estado de Saúde e confirmadas pelo secretário municipal de Saúde, André Pombo e pelo prefeito Rubens Bomtempo.

“São duas faces da mesma notícia: a boa, que é a existência da verba que vai gerir as UPAs e a segunda, ruim, porque comprova que o problema da Saúde em Petrópolis é de gestão”, disse.
De acordo com as informações passadas ao juiz por representantes do Estado,  cada um das unidades deve receber por mês repasses de R$ 500 mil em recursos federais e R$ 400 mil do Estado, totalizando R$ 1,8 milhão por mês para as duas unidades. “O contrato com a Cruz Vermelha para a administração de cada unidade é de R$ 950 mil o que  totaliza R$ 1,9 milhão por mês”, lembra a promotora Vanessa Katz, da promotoria de Tutela Coletiva de Petrópolis (MPE). “A boa gestão e o acompanhamento cuidadoso das contas da Saúde é muito importante em um momento de crise como o que vivemos hoje. É necessário que haja transparência. Precisamos saber quanto custa cada uma das UPAs e adotar um plano de contingência que permita que a população não continue sofrendo com a falta de atendimento”, disse Paulo Igor.

A reunião foi realizada para discutir o atraso, desde março, dos repasses de recursos do Estado. Participaram da audiência quatro representantes do Estado, entre os quais o representante do secretário de Estado de Saúde, Sávio Monerat e três representantes do Município, entre os quais o prefeito Rubens Bomtempo e o secretário de Saúde André Pombo. 

Comentários

Anônimo disse…
Sinisssssstro!!!!