Gilda Beatriz realiza campanha de conscientização sobre Esclerose Múltipla




O dia 30 de agosto marca o Dia Municipal de Conscientização sobre a Esclerose Múltipla, Lei 7182/14, de autoria da vereadora Gilda Beatriz (PMDB). Por isso, nesta segunda-feira (31.08), foi realizada no calçadão do CENIP, em Petrópolis, Região Serrana do Rio, uma ação de conscientização sobre a doença neurológica degenerativa que atinge cerca de 30 mil brasileiros.

“Conversamos com a população e distribuímos panfletos sobre o tema. O objetivo principal é explicar o que é a Esclerose Múltipla, como tratar e quais são os profissionais que podem ajudar no tratamento. Segundo o Ministério da Saúde, no Brasil há cerca de novos 15 casos a cada cem mil habitantes ao ano. Quando o paciente descobre que tem a doença, na verdade é um recomeço, e quanto mais rápido isso acontecer, melhor será sua qualidade de vida”, explica a vereadora Gilda Beatriz, presidente da Comissão de Defesa das Pessoas com Deficiência e do Idoso.

Sintomas

A fase inicial da esclerose múltipla é bastante sutil. Os sintomas são transitórios, podem ocorrer a qualquer momento e duram aproximadamente uma semana.
Tais características fazem com que o paciente não dê importância às primeiras manifestações da doença que é remitente-recorrente, ou seja, os sintomas vão e voltam independentemente do tratamento.

A pessoa pode passar dois ou três anos apresentando pequenos sintomas sensitivos, pequenas turvações da visão ou pequenas alterações no controle da urina sem dar importância a esses sinais, porque, depois de alguns dias eles desaparecem. Com a evolução do quadro, aparecem sintomas sensitivos, motores e cerebelares de maior magnitude representados por fraqueza, entorpecimento ou formigamento nas pernas ou de um lado do corpo, diplopia (visão dupla) ou perda visual prolongada, desequilíbrio, tremor e descontrole dos esfíncteres.
Não se conhecem ainda as reais causas da doença. Sabe-se, porém, que sua evolução difere de uma pessoa para outra e que é mais comum em mulheres e em indivíduos de pele branca.

A característica mais importante da esclerose múltipla é a imprevisibilidade dos surtos. O diagnóstico é basicamente clínico, mas já existem exames laboratoriais e de imagem que ajudam a confirmá-lo e a acompanhar a evolução da doença.

Tratamento

Uma vez confirmado o diagnóstico de esclerose múltipla, uma doença inflamatória desmielizante, com manifestação remitente-recorrente, o tratamento tem dois objetivos principais: abreviar a fase aguda e tentar aumentar o intervalo entre um surto e outro. No primeiro caso, os corticosteroides são drogas úteis para reduzir a intensidade dos surtos. No segundo, os imunossupressores e imunomoduladores ajudam a espaçar os episódios de recorrência e o impacto negativo que provocam na vida dos portadores de esclerose múltipla, já que é quase impossível eliminá-los com os tratamentos atuais.

Com informações: www.drauziovarella.com.br