Depois de barrar CPI da Educação, governo consegue decisão contra CPI da CPTrans



Com base em denúncias apresentadas por funcionários da Companhia Petropolitana de Trânsito e Transportes (CPTrans), a Câmara de Vereadores instaurou em junho uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar supostas irregularidades que estariam sendo praticadas na Companhia.

Na última terça-feira (4), a pedido do governo, a justiça cancelou a CPI. Infelizmente ainda não consegui acesso a decisão, mas o documento já foi solicitado.

Em sua fala na Câmara, o presidente da CPI vereador Meirelles (PTB) definiu a atitude do governo como um retrocesso para o município. “Me posiciono como presidente da Comissão e como vereador, considero uma situação lastimável, um retrocesso para o município. Falo isso com muita tranquilidade, foi lastimável também no governo passado quando uma CPI foi barrada, o mesmo acontece hoje por parte do Sr. Rubens Bomtempo que tomou a mesma atitude. A população vem acompanhando com ansiedade o tema, eu ando o dia inteiro e em qualquer rincão desta cidade sou questionado sobre o trabalho desta CPI da CPTrans, os relatos são diversos, eu como presidente da CPI, não podendo fazer antecipação de juízo estou informando a população que ao final dos trabalhos vamos mostrar a situação real da CPTrans, principalmente em relação das multas” explicou.

CPI da Educação também foi cancelada 

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), que apura a aplicação de recursos da Educação iniciou os trabalhos no dia 22 de junho, está parada desde quinta-feira (30) por conta de uma liminar judicial que determina a suspensão imediata dos trabalhos da CPI, sob pena de multa de R$ 50 mil. A decisão, assinada pelo titular da 4ª Vara Cível de Petrópolis, juiz Jorge Luiz  Martins Alves, atende a um pedido da Prefeitura, que alega que os trabalhos dos vereadores têm o objetivo de promover uma “devassa na administração municipal”.

Por orientação do presidente da Câmara de Vereadores, Paulo Igor (PMDB), desde sexta-feira (31) o departamento jurídico da casa trabalha na elaboração do recurso judicial para retomar as investigações.