Bernardo Rossi questiona ANTT sobre repasse de custo da nova pista aos usuários



O aumento de 24,44% na nova tarifa de pedágio na BR-040 será questionado junto à Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) se está relacionado a uma tentativa de repasse dos custos da nova obra de subida da serra para os usuários. Com a nova tarifa a R$ 11,20, a arrecadação mensal da empresa que opera o trecho Rio-Petrópolis-Juiz de Fora passa a ser de R$1,7 milhão.  Em 30 dias de tráfego na estrada considerando uma tarifa básica, fluxo de 25 mil veículos e a passagem por uma das três praças de pedágio, a concessionária arrecadará com a nova taxa R$ 8,4 milhões mensais.

Deputado estadual licenciado, Bernardo Rossi, questiona se os R$ 1,1 bilhão da nova pista de subida da serra estão sendo repassados aos usuários apesar do aporte de R$ 700 milhões do governo federal na obra.  “A nova subida da serra é fundamental para a cidade, para a nossa economia, mas o usuário petropolitano não pode continuar sendo punido. A obra já deveria ter ficado pronta em 2011 e sem dinheiro público porque deveria ter sido executada pela empresa que opera a via”, aponta Bernardo Rossi. Mesmo licenciado do cargo de parlamentar, Bernardo Rossi está pedindo uma audiência com o presidente da ANTT para levar um documento assinado por entidades que representam a sociedade civil de Petrópolis  e de Minas Gerais contra o reajuste de pedágio. Instituições que representam segmentos econômicos serão convidadas a fazer parte do documento.

“A BR-040 também é importantíssima para Minas e lá o impacto é ainda maior com o pagamento pela passagem das cargas, sobretudo, por mais duas praças até Juiz de Fora. O parlamento estadual mineiro, capitaneado pelo deputado Noraldino (PSC), vai unir forças com a Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) no questionamento à ANTT”, afirma Bernardo Rossi.

Para trafegar entre Juiz de Fora e Belo Horizonte – nova concessão federal -  o custo total é de R$ 13,80 considerando a tarifa de R$ 4,50 e três praças de pedágio. Entre Rio-Juiz de Fora, com três praças de pedágio e a nova tarifa, o motorista de um veiculo de passeio paga hoje R$ 33,60 por uma distância menor, de 180 quilômetros. Considerando as duas distâncias, o pagamento no trecho Rio-Petrópolis-Juiz de Fora é R$ 19,80 mais caro.

Bernardo Rossi também vai provocar o Ministério Público Federal – que já recebeu documentação de seu primeiro mandato como deputado estadual, em 2013, questionando reajustes anteriores e o próprio contrato – solicitando investigação nas tarifas que vêm sendo praticadas e itens contratuais que deixaram de ser executados. “O que não queremos que aconteça é um ‘combo ‘ altamente negativo para o petropolitano que significa obra da pista de subida da serra atrasada, aumentos sucessivos de pedágio para pagar esta obra e a prorrogação de contrato da Concer ainda que não esteja cumprindo seu contrato”.