Guarda Civil de Petrópolis continua abandonada



Criada em 12 de julho de 1924, a Guarda Civil de Petrópolis foi o resultado de um pedido popular pela necessidade de um melhor policiamento nas ruas de Petrópolis, que garantisse mais tranquilidade à população. Hoje, 91 anos depois, a Guarda Civil vive um drama ainda desconhecido pela população petropolitana, motivo de orgulho nas ruas, os servidores passam uma luta diária para manter um trabalho digno a serviço da cidade sem uma estrutura mínima para desempenhar suas atividades. (foto: coturno de um Guarda Municipal postado nas redes sociais).

Advogado, o ex-comandante da Guarda Municipal Maurício Borges, vem alertando sobre os problemas enfrentados pelos servidores nas redes sociais. “Viaturas paradas por falta de manutenção, viaturas novas doadas pelo governo federal estragando no pátio e proibidas de rodar por falta de regulamentação do governo municipal. Sem fardamento, diversos guardas já trabalham com roupas comuns.  A retirada de horas extras e postos de serviços, substituídos por empresa contratada soma-se ao não cumprimento das leis que dão o direito a guarda de ter reconhecimento por nível de escolaridade (ensino médio).  O governo municipal ainda não pagou as ações ganhas pela categoria na justiça, não promoveu os guardas que já tem direito por tempo de serviço e também não pagou os proventos. Falta salário, equipamento, condição de trabalho e dignidade aos servidores. A Guarda foi substituída por uma firma particular no trânsito, hospitais e terminais rodoviários (transbordos). Se existe dinheiro para gastar com uma empresa, como não existe dinheiro para investir na Guarda?  É uma covardia do governo municipal humilhar uma instituição com mais de noventa anos de história simplesmente por ter contrariado seus interesses e discordados de tantos desmandos. ” Declarou.

Dois meses após a publicação da matéria não respondida pela Prefeitura de Petrópolis, a situação da Guarda Civil não mudou, O ESPAÇO NO BLOG ESTA ABERTO PARA NOTA OFICIAL DA PREFEITURA DE PETRÓPOLIS. blogdoeduardoferreira@gmail.com


Comentários