Pacientes do SUS estão sem exame há mais de três meses



Thaciana Ferrante - Os pacientes do Centro de Terapia Oncológica que precisam realizar tomografia estão sem o exame. Isso porque há três meses o equipamento do Hospital Alcides Carneiro quebrou e os pacientes do SUS que precisam do serviço passaram a ser atendidos no Hospital Santa Teresa, devido a um convênio entre a prefeitura e a unidade de saúde. Apesar disso, de acordo com a assessoria do HST, o tomógrafo do local precisou ser trocado, deixando novamente os petropolitanos sem o serviço. Na APPO pelo menos sete pacientes estão na fila há 90 dias a espera do exame. 

A situação é considerada grave pela oncologista e sócia da unidade, Carla  Ismael, pois a tomografia é uma das principais formas para a verificação da existência de metástases, bem como a confirmação da necessidade de realização de biopsias. Portanto a demora na execução das tomografias tem como consequência provável o aumento de tumores e a possibilidade de maior número de metástases em pacientes com câncer.

Carla Ismael é ainda membro da Sociedade Franco Brasileira de oncologia e afirma que todos os esforços relacionados as campanhas de prevenção e detecção precoce do câncer, se tornam ineficazes, quando há demora na execução dos exames que indicam a necessidade da iniciação do tratamento. “O que venho percebendo na clínica é o número impressionante de pacientes se desdobrando para realizar a tomografia em clínicas particulares”, afirmou. 

A petropolitana Ana Souza, é uma das pacientes do CTO que está há três meses na fila de espera para realizar o exame. Através do resultado ela ficará sabendo se precisa ou não operar o tumor. “É terrível precisar de um exame que indique se o tumor regrediu ou se será necessário uma operação, e não conseguir atendimento. Isso é muito grave e pode custar a vida de muitos pacientes. Assim como eu, sei de várias pessoas que não conseguiram fazer a tomografia. Pior ainda é ver que logo após o convênio fechado com um hospital HST, já que a prefeitura não conseguiu um novo equipamento durante 90 dias, é a unidade de saúde resolver trocar o aparelho e todos nós ficarmos sem outra opção”, disse revoltada. 

 Já de acordo com a assessoria do Hospital Santa Teresa, a tomografia da Lumic – Central Integrada de Imagens, localizada na unidade de saúde, está em pleno funcionamento. Além disso, foi inaugurado recentemente um novo equipamento, por conta disso, no período de troca de máquinas, os atendimentos ficaram temporariamente paralisados no hospital, sendo que os exames de urgência e emergência foram realizados em outra unidade de saúde que também possui o serviço da Lumic.

Ainda segundo o Hst, em virtude da parada de funcionamento da tomografia do Hospital Alcides Carneiro, a Secretaria Municipal de Saúde contratualizou recentemente junto ao hospital, um volume de exames para atender as demandas do Município até que o serviço seja restabelecido.

Segundo a Associação Petropolitana dos Pacientes oncológicos, graças a um grupo de empresários que não querem receber notoriedade por conta da ação, a APPO atualmente pode realizar cerca de 20 tomografias particulares para pacientes já diagnosticados e que precisam do exame para iniciar o tratamento de radioterapia. Já as tomografias são realizadas no SMH na Ultrascan, graças a uma parceria que existe há mais de dois anos.

“Por mais que seja muito triste, não conseguimos dar conta de efetuar o pagamento de todos os exames necessários para pacientes oncológicos e por isso esperamos que em breve o agendamento e a realização das tomografias se adeque. Tivemos uma reunião com a Secretaria de Saúde e eles nos informaram que a parceria com o Hospital Santa teresa está fechada e que em breve a fila vai ser finalizada”, comentou.

A secretaria de Saúde informou que o serviço credenciado com o Hospital Santa Teresa (HST) funciona normalmente. Em relação ao aparelho de tomografia do Hospital Alcides Carneiro (HAC), já foi pactuado com a Faculdade Arthur Sá Earp (Fase) a compra de um novo equipamento, que deverá estar sendo instalado em breve.

via Tribuna de Petrópolis

Comentários