Polícia prende estuprador que agia na região do Cremerie

Bernardo Rocha: Autor confesso de pelo menos cinco crimes, o homem tentou fazer uma policial refém e  foi baleado.



Após várias denúncias de novos crimes de violência sexual na região dos bairros Cremerie, Taquara e Independência, uma operação realizada no fim tarde de sexta-feira (7), resultou na prisão do autônomo Alexandre Marques Gomes, de 32 anos. O homem confessou pelo menos cinco estupros e outras duas tentativas entre agosto de 2013 e a última quarta-feira (5). Durante a prisão, o criminoso que tem vários antecedentes criminais, entre eles um latrocínio, tentou fazer uma agente de refém e acabou baleado nas pernas. O indivíduo está preso na 105ª DP, no Retiro.

Trena, peça de corte de grama, mochila apreendida com restos de alimentos e outros. A polícia já havia recolhido estes objetos pertencentes ao criminoso e que foram deixadas para trás após crimes cometidos. O homem foi pego próximo à casa dele no bairro Cremerie. Sete policiais participaram da operação.

- Já tínhamos notícias de vários objetos, entre eles uma cortadeira e já estávamos convencidos de que ele era nosso alvo. Após ser baleado, ele foi medicado e está bem. Agora de manhã confessou todos os crimes pelos quais foi acusado. Na segunda-feira (9) irá para o sistema penitenciário – disse o delegado titular Alexandre Ziehe.


Segundo o delegado que articulou a operação, o último estupro cometido por Alexandre ocorreu na última terça-feira (4) e uma tentativa de estupro foi realizada sem êxito na quarta-feira (5).

- Ele já foi reconhecido por algumas vítimas, sendo que quando foi preso portava o aparelho celular de uma delas. Outro fato a se considerar é que ele tem ferimentos de um dos crimes, pois a vítima o empurrou e ele caiu, o que não nega. Os crimes ocorreram em grande parte no Taquara – informou.

Além do Taquara, a polícia investiga outros casos no Quissamã, Corrêas e Independência. O delegado garante que uma fase se conclui com esta prisão.

- Uma pessoa dessas já provou que não pode ficar solto e junto à sociedade. Além de crimes sexuais, tem crimes contra a vida – disse.

Alexandre está preso na carceragem da 105ª DP. O homem que tem 32 anos de condenação e estava evadido do sistema penitenciário desde 25 de agosto de 2013 e tem outros sete registros policiais.



Homem arrependido

O criminoso foi apresentado à imprensa e, assim como nos estupros, evitava mostrar o rosto. Ele afirmou estar totalmente arrependido.

- Tenho conhecimento de tudo que fiz de errado e estou arrependido. São consequências da vida – se limitou a dizer.



Outros crimes

Segundo o inspetor Renato Rabelo, que participou da operação junto com os inspetores Haroldo Peçanha, Priscila Rodrigues e Fabiana Jorge, o homem já havia sido preso por ele no ano de 2000, quando roubou e matou Isis Quadros, no prédio do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), no Centro. Ele chegou a ser condenado e cumprir pena. Renato garantiu que além deste homicídio e de outros crimes, pelo menos dois estupros o homem cometeu quando ainda era menor.



Primeiro preso inocente

Na última semana o depoimento de uma senhora que foi violentada sexualmente por Alexandre, comoveu a população. Todos que tiveram contato com o caso ficaram assustados, pois algo de estranho estava ocorrendo, tendo em vista a prisão de Diogo Pacheco, de 33 anos, acusado de ser o autor dos estupros e que havia sido preso há um mês, no bairro Quissamã.

Em uma coletiva de imprensa, realizada na manhã de ontem, na delegacia do Retiro, o delegado Alexandre Ziehe, também falou sobre o fato e informou que um conjunto de coincidências levou a crer na ocasião que havia prendido o estuprador.

- Tivemos várias coincidências. Fizemos o nosso trabalho intensamente. Pedimos listagem das pessoas que trabalham com os equipamentos encontrados na mochila de Alexandre no local do crime. Fomos às lojas que vendiam o maquinário, fomos a empresas de ônibus e a obras. Na ocasião trouxemos um suspeito que tinha um delito por violência doméstica. É importante frisar que Diogo foi reconhecido por duas vítimas – disse.

Segundo o delegado, várias coincidências ocorreram, entre elas uso de medicamentos, voz roca diferenciada e problemas nos dentes. No dia em que fato ocorreu, os dois homens não se encontravam em casa.

- Tratamos a investigação como um todo e chegamos ao Diogo. Ele foi preso e as denúncias continuaram. Não sabíamos se era movido pela imprensa ou pela divulgação. Continuamos investigando e chegamos a este rapaz com essa ficha criminal extensa. No momento em que fui ao hospital e reconheci o aparelho da vítima que estava com o rapaz, tive a certeza de que era ele – explicou.

- O primeiro preso é inocente. O que posso dizer é que pedimos a prisão dele tranquilos, pois estávamos baseados em várias provas. Não é fácil e vamos pedir a liberdade do Diogo, mas ele tem uma ameaça e continuará respondendo por ela. O juiz vai entender se ele continua preso ou será solto – disse.

VIA DIÁRIO DE PETRÓPOLIS