quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Trabalhador morre esmagado em obra da Serra de Petrópolis, no RJ



O ajudante de obra Alexsandro Ferreira, de 32 anos, morreu na manhã desta quinta-feira (19) após ser esmagado enquanto trabalhava na obra de construção da Nova Subida da Serra (NSS) de Petrópolis, na Região Serrana do Rio. Segundo o Hospital Santa Teresa, a vítima deu entrada com múltiplas fraturas no crânio e corpo. O presidente do Siticomm, sindicato que representa dos operários, vai pedir o embargo da obra ao Ministério Público por falta de segurança. A vítima é natural da Bahia e morava em Sapucaia. O gerente administrativo e financeiro do consórcio responsável pela obra na BR-040 afirmou que o homem usava os equipamentos de segurança necessários no momento do acidente.
O homem foi atingido por uma pedra quando trabalhava na escavação do novo túnel de quase cinco quilômetros de extensão, segundo Josimar Campos de Souza, presidente do Siticomm. “Nossa diretoria está lá, mas o consórcio proibiu o acesso ao local do acidente. Sempre faltou segurança para os trabalhadores nessa obra e nós já havíamos alertado, inclusive, através de greve realizada em março de 2014. Agora perdemos uma vida e queremos que providências sejam tomadas”, afirmou Josimar. Aproximadamente 700 homens trabalham na construção da nova pista e para o presidente do sindicato a falta de segurança é um risco para eles e para os usuários da rodovia.

A Concer, concessionária responsável pelo trecho Rio-Juiz de Fora da BR-040, não se pronunciou sobre o caso. Já o consórcio responsável pela obra afirma que Alexsandro Ferreira estava com todos os equipamentos no momento do acidente, que aconteceu por volta das 7h30. “Não existe falta de segurança na obra. Estamos dando todo o suporte à família”, afirmou Ronaldo Rodrigues, gerente administrativo e financeiro do consórcio, que não esclareceu quais seriam as possíveis causas do acidente ou mesmo se elas serão apuradas.

Segundo o Hospital Santa Teresa, a vítima morreu 40 minutos após dar entrada na unidade. Os médicos tentaram diversos recursos, mas os ferimentos eram gravíssimos. Segundo Ronaldo Rodrigues, a esposa da vítima está em Petrópolis para fazer a liberação do corpo que deve fazer o translado para Sapucaia, onde o casal morava, ou para a cidade na Bahia onde está a família de Alexsandro.

Fernanda Soares
Do G1 Região Serrana

Nenhum comentário: