Câmara Municipal realizou audiência para discutir o fechamento da Farmácia Popular



A vereadora Gilda Beatriz (PMDB), que preside a Comissão em Defesa das Pessoas com Deficiência e do Idoso da Câmara Municipal, presidiu na noite desta quarta-feira (17/12), uma audiência pública na Casa para analisar a questão do fechamento da Farmácia Popular na cidade. Por determinação do Governo do Estado, até o próximo dia 31 de dezembro, todas as 19 Farmácias Populares do estado do Rio de Janeiro serão desativadas. Em Petrópolis, a medida causou preocupação nos usuários e funcionários, que afirmam terem sido pegos de surpresa.

Gilda destacou que o objetivo principal da audiência foi o de reunir as propostas e soluções para o impasse criado com o anúncio do encerramento das atividades e encaminhá-las ao governador Luiz Fernando Pezão.

Durante a audiência, foi apresentado um vídeo com depoimentos dos usuários da Farmácia Popular, que além de se beneficiarem do projeto com a compra de fraldas geriátricas a preços mais acessíveis, participam dos projetos oferecidos no “Espaço da Convivência”, com tardes dançantes, aulas de alongamento, oficina de trabalhos manuais, entre outros.

Também convidada para a audiência, Roseane Borsato, coordenadora da Divisão de Farmácia da Secretaria de Saúde, sugeriu que o Espaço da Convivência possa ser transferido para um outro local, caso seja mesmo confirmado o encerramento das atividades da Farmácia Popular. Compuseram a mesa também, a farmacêutica da Secretaria de Saúde, Ana Paula Grazinoli, e a vice-presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa, Gabriela Falconi.

“É um pena que um projeto como esse, que já existe há dez anos, acabe assim tão rapidamente, deixando muitas incertezas quanto ao futuro dessas pessoas que utilizam os serviços. Hoje são cerca de 43 mil idosos na cidade, representando algo em torno de 11% da população, e os direitos dessas pessoas precisam ser resguardados”, disse a vereadora Gilda Beatriz, lamentando ainda a ausência de um representante do Instituto Vital Brazil ao encontro, para que as dúvidas fossem sanadas.

As informações dão conta de que os beneficiários das 19 unidades da Farmácia Popular poderão comprar os medicamentos em 1.100 pontos de venda, com integração do serviço prestado pelo Estado ao serviço oferecido pelo Governo Federal. Esses beneficiários já estão recebendo um cartão denominado “Cuidados Especiais”, com o qual poderão comprar o produto pelo mesmo valor. A gestão desse cartão passará a ser, a partir de janeiro, da Secretaria de Envelhecimento Saudável e Qualidade de Vida, que tem à frente o petropolitano Marcus von Seehausen.

O vereador Meirelles (PTB), disse que a questão precisa ser analisada com cautela, pois trata-se de uma diretriz política do governador que ele acredita ter o intuito de melhorar o serviço. Ele destacou, porém, que a Câmara precisa se reunir para tentar manter os serviços oferecidos pelo Espaço da Convivência.

Também presente à audiência, Silmar Fortes defendeu que “as pessoas que fazem uso desse serviço precisam de uma resposta, que deve ser rápida. Estamos aqui prontos a colaborar e buscar os motivos que fizeram o governo paralisar esse serviço”. Luizinho Sorriso (PROS), lamentou a notícia: “não entendo o porquê desse fechamento, já que é um serviço que existe há 10 anos e funciona bem. Se for necessário, podemos formar um comissão aqui da Casa e ir até o governador”, propôs.