terça-feira, 11 de novembro de 2014

Entrevista exclusiva com Yuri Moura presidente do PT em Petrópolis



BLOG: Como você avalia o resultado das eleições nacionais e estaduais para Partido dos Trabalhadores?

YURI MOURA: Acredito que vivemos um momento de fortalecimento da democracia brasileira, ao mesmo tempo este momento é muito frágil, já que sempre que isso ocorreu em nossa história surgiram tentativas de golpe. Já são 12 anos, e serão mais 4 anos, de um governo progressista, focado na emancipação dos trabalhadores e no combate as desigualdades e isto assusta muita gente. 

Porém, o PT, também errou muito, deixou de pautar firmemente questões importantes: reforma política, democratização das comunicações, reforma do judiciário, reforma do ensino básico, etc. Bandeiras importantes para o segundo mandato de Dilma que enfrentará muitos desafios e terá na reconciliação com os movimentos sociais e a militância de esquerda a força para alcançar estes objetivos.

Inclusive avalio que a incerteza da vitória no cenário nacional, a queda na votação de nossos parlamentares, e a de nosso candidato ao governo do estado, vem da falta de diálogo durante anos por parte do partido, com as forças populares, que defendem de fato o projeto que construímos. Governamos para todos, sempre, o PT busca igualdade, e precisamos trazer quem pensa assim para perto de novo. O que só será possível com uma reflexão profunda no partido e nas práticas de alguns filiados.

BLOG: Como você avalia a participação do PT municipal nas eleições 2014?

YURI MOURA: Vejo claramente que o petropolitano abraçou o novo PT Petrópolis, o PT de verdade, que não tem medo do debate e não se descaracterizou como o PT Petrópolis do passado recente. Fizemos uma campanha militante e, ao mesmo tempo, enquanto reconstruímos o partido na cidade, fomos contra a grande indústria eleitoral liderada pelo PMDB Petrópolis e pelo grupo do Prefeito. Os candidatos a deputados, apoiados pela nova direção, Wadih e Robson, foram os mais votados do PT na cidade, tendo mais representação do que companheiros antigos que sempre foram bem votados aqui. Com exceção do Mustrangi, que por ter apostado em uma candidatura independente, de direita e casada com o grupo Cabral/Pezão, teve uma resposta negativa bem direta da população, justamente por este tipo de postura e pela perda de identidade.

Sabemos da dificuldade que o PT, logo Dilma e os outros candidatos do partido, possuem na Região Serrana. Porém, desde Lula, o PT mantém uma votação sólida na cidade. E historicamente temos um bloco de luta na região, bloco que se uniu e cresceu muito no segundo turno. Bloco que vem colaborando com este PT que se reconstrói no município e que, em menos de 1 ano, já é forte para 2016.

BLOG: Ainda existe espaço para o ex-prefeito Paulo Mustrangi no projeto do PT para 2016?

YURI MOURA:  Não. O partido sempre é maior do que qualquer filiado, e o grupo liderado por ele teve o seu projeto de partido derrotado em nossas eleições internas no ano passado. Justamente por não apresentarem um projeto de identidade, forte, valente e corajoso, como é o da nova direção. Nós, fomos críticos, dentro do partido, ao governo Mustrangi, pois percebemos que a população tinha dado grande confiança a ele, merecendo um governo transformador, mas infelizmente não fomos ouvidos.

E deu no que deu. Nós, não engolimos o apoio ao PMDB no segundo turno em 2012, apoio garantido através de coação aos companheiros e acordos ocultos, esquecendo os projetos para a cidade. E deu no que deu. Queríamos a neutralidade, para mostrar ao povo petropolitano que nem o projeto Rossi, ou o projeto Bomtempo, representam o que queremos apresentar para Petrópolis. E, agora, teremos a chance de mostrar isso em 2016.

BLOG: Qual é a posição da direção do PT em relação governo Rubens Bomtempo?

YURI MOURA:  Oposição. Mas não acreditamos em oposicionismo besta, aquele que só prejudica a cidade. Estamos fiscalizando, propondo outros caminhos, pressionando e criticando o governo municipal. Principalmente quando o Prefeito justifica a inoperância técnica de seu governo em falácias, como em sua última tentativa, ao dizer que o governo federal perseguia Petrópolis. Agora, espero que ele explique este tipo de “perseguição” que, só neste ano, já trouxe mais de 175 milhões de investimentos para a cidade oriundos de recursos do governo federal.

BLOG: Como você avalia a atuação do PT na Câmara Municipal?

YURI MOURA:  Falta diálogo. Anderson Juliano, hoje nosso único vereador, tem feito um mandato combativo, tem estado nas ruas semanalmente, e isto é muito bom. Porém o mandato é do partido, e a nova direção quer ser aproximar mais, pautar projetos e lutas importantes do modo petista de agir no legislativo. Acredito que conseguiremos fazer muito nos próximos dois anos.

O PT local esta passando por um processo de reestruturação?

YURI MOURA: Sim. Resgatando o PT de verdade, aquele PT ideológico que o povo abraçou desde sua fundação. Para isto é fundamental diálogo, por isso estamos mais próximos das ruas, do movimento sindical, dos movimentos sociais e comunitários, e do PT Estadual e Nacional. Acreditamos em política participativa, que tenha uma cultura transformadora, longe das práticas que afastam as pessoas da política. Tanto que companheiros antigos estão retornando ao partido.

BLOG: Quais os principais objetivos do Partido dos Trabalhadores em Petrópolis até o início das eleições 2016? O que é preciso para recuperar nas urnas a confiança do povo petropolitano?

YURI MOURA:  Vamos fazer mais da mudança que fizemos neste primeiro ano: ir para o debate e ocupar os espaços de luta. Queremos falar mais com os setores abandonados: moradores das comunidades, jovens, empresários, movimentos, etc. E o caminho será através de projetos de lei, campanhas e da construção de nosso programa de governo para 2016, em nossos núcleos e na Caravana da Cidadania – que vai passar por toda a cidade.

O PT terá candidato próprio. Sou pré-candidato a Prefeito e quero debater com todos o que Petrópolis precisa. Sem medo e com muita vontade de mudança.

BLOG: Quais as principais diferenças entre a antiga direção do PT e o novo PT liderado pelo jovem Yuri Moura?

YURI MOURA:  Hoje, o PT está aberto. A maior diferença está no pensar e no agir. Pensamos o partido de maneira diferente, longe da ideia de instituição burocratizada e afastada das ruas. Pensamos a cidade através de uma nova política, renovada e participativa. E assim estamos agindo, e assim continuaremos agindo. Os petropolitanos já perceberam isto.

Nenhum comentário: