Pezão e Crivella trocam acusações em debate com torcidas difíceis de conter



Fabiana Paiva: Luiz Fernando Pezão (PMDB) e Marcelo Crivella (PRB) não cumpriram as promessas de fazerem menos ataques no último debate antes das eleições. A temperatura subiu no encontro organizado pela TV Globo na noite desta quinta-feira (23), com destaque para as torcidas dos candidatos, que não respeitaram as regras e pouco contiveram as provocações.

No primeiro bloco, os aspirantes começaram trazendo algumas propostas para as áreas de Saúde, Segurança e Educação. Mas as trocas de acusações, permeadas pelos gritos das torcidas, foram mudarando o foco do debate.

Quando o tema Saneamento entrou em pauta, o senador repetiu mais de uma vez que Pezão gastou praticamente a mesma coisa com propaganda e saneamento.

"Você sabe quanto seu governo investiu em saneamento? R$ 330 milhões. E em propaganda? R$ 309 milhões. Praticamente o que você investiu em saúde, investiu em autopromoção", afirmou Crivella.

Em sua defesa, o governador aproveitou para atacar o aliado do adversário: "Esse convívio seu com o (Anthony) Garotinho está muito ruim. Você esta mentindo igual a ele", alfinetou o candidato do PMDB.

Crivella, que normalmente mantém a fala mansa, perdeu a compostura em alguns momentos. Em resposta sobre Segurança, aproveitou para criticar os escândalos do atual governo: "Vocês dançam na boca da garrafa, com guardanapo na cabeça em Paris. Um governador não pode ter tanto escândalo, porque senão, você não tem moral. Vocês perderam o controle", atacou Crivella.

Pezão, que logo no início já chamou o oponente de "bispo", também não poupou munição, enfatizando a associação do adversário com Edir Macedo e com a Igreja Universal: "No meu governo, quem governa sou eu. O espelho da corporação sou eu. Você quer botar aqui o bispo Macedo, que você é testa de ferro", disparou o governador.

Mas o senador não engoliu a seco: "Pezão, infelizmente, você perdeu o juízo. Quer misturar política com religião para não discutir corrupção porque integra um governo corrupto", disse Crivella, acrescentando que o advérsário "puxou saco" de Edir Macedo em inauguração de tempo.

Com um debate com as acusações de sempre, o elemento novo ficou por conta de uma sirene que disparou no estúdio no último bloco, assustando a todos. A torcida - que quase abafou a voz da mediadora no encerramento - também foi novidade.

fonte: Jornal Extra/Blog Extra Extra

Comentários