CAMPANHA - PRÊMIO JUÍZA PATRÍCIA ACIOLI DE DIREITOS HUMANOS



Petrópolis vai participar da campanha “Vista a Camisa dos Direitos Humanos”, do “Prêmio Juíza Patrícia Acioli de Direitos Humanos 2014”. A jornalista e escritora petropolitana Andréa Lopes foi convidada pela Associação dos Magistrados do Estado do Rio de Janeiro – Amaerj, para divulgar a campanha em Petrópolis: “Fiquei muito feliz com o convite. Trabalhar  em prol dos Direitos Humanos, levando as pessoas a um despertar de consciência de cidadania, é muito prazeroso”, declara Andréa.

A jornalista estará convidando pessoas formadoras de opinião e atuantes em Petrópolis a vestirem a Camisa dos Direitos Humanos e serem fotografadas. As fotos serão enviadas à Amaerj e divulgadas durante toda a campanha, que será realizada até janeiro de 2015, visando buscar participantes para a quarta edição do prêmio que ocorre no ano que vem. Diversas autoridades e artistas aderiram. Já vestiram a camisa da premiação o filho d juíza, Mike Chagas; o cardeal Dom Orani Tempesta; a bailarina Ana Botafogo; a apresentadora Xuxa Meneghel; os atores Giovanna Antonelli, Mateus Solano e Guilhermina Guinle; a ministra Ideli Salvatti; o cartunista Ziraldo; o dançarino Carlinhos de Jesus, entre outros. Todos os jornalistas convidados a divulgar a campanha realizam o trabalho pela causa, não recebendo qualquer tipo de remuneração. 

A solenidade de entrega do Prêmio Juíza Patrícia Acioli de Direitos Humanos 2014, será realizada pela Amaerj, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, na segunda-feira, dia 17 de novembro, às 19h. A cerimônia será dirigida pela presidente da Fundação do Theatro Municipal, Carla Camurati. O presidente do Supremo Tribunal Federal – STF, ministro Ricardo Lewandowski e a ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Ideli Salvatti, já confirmaram presença no evento.

As categorias da premiação contemplam trabalhos de estudantes do Ensino Fundamental, com redações sobre o tema Brasil, Cidade e Direitos Humanos, sendo a premiação um tablet, e iniciativas de Projetos Sociais e Trabalhos Acadêmicos sobre o tema: Educação e Direitos Humanos, a pessoa em primeiro lugar, sendo a premiação em dinheiro.

O prêmio tem o intuito de explorar o amplo universo da Cidadania, através do fortalecimento do diálogo entre o Judiciário e a sociedade. A Constituição garante a todos o direito à vida, à liberdade e à segurança e o prêmio tem exatamente o objetivo de defender que esses direitos sejam repeitados.


Prêmio Patrícia Acioli de Direitos Humanos

O Prêmio Juíza Patrícia Acioli de Direitos Humanos foi criado em 2012 pela Associação dos Magistrados do Estado do Rio de Janeiro – Amerj, com apoio do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro – TJRJ. O Prêmio tem o objetivo de manter viva a luta da juíza Patrícia Acioli, magistrada da 4ª Vara Criminal de São Gonçalo, uma grande defensora dos Direitos Humanos, que foi brutalmente assassinada, em agosto de 2011, em Piratininga – Niterói, por um grupo de policiais militares. Envolvido em diversos crimes, cometidos no município de São Gonçalo, o grupo tentou calar a Justiça e evitar uma condenação executando a juíza. O Prêmio tem caráter nacional e qualquer cidadão brasileiro pode participar.