Três casos de H1N1, mas PMP diz que situação está controlada



Três casos de H1N1, sendo dois com óbito, foram confirmados pela prefeitura. Outros três ainda estão sob investigação. As vítimas, uma adolescente de 13 anos que estava grávida e uma mulher de 48 anos, que seria portadora de doença crônica, estavam classificadas no grupo de risco. Um homem, que não teve a identidade revelada, continua internado no Hospital Alcides Carneiro (HAC). Em nota, a Secretaria de Saúde se solidariza com as famílias dos pacientes, entretanto, afirma que não há motivos para pânico, principalmente porque o inverno, quando as doenças virais são mais comuns, está acabando.

Segundo a assessoria da Secretaria, é preciso ficar atento para identificar os sintomas da gripe causada pelo vírus H1N1 de uma gripe comum. A diferença está no aparecimento de dificuldade respiratória, como falta de ar e cansaço agudo. Contudo, o risco de morte é o mesmo de outras doenças.

- O H1N1 não é diferente de outra gripe. Ela pode se tornar mais grave e fatal principalmente para quem estiver no grupo de risco, que são as mulheres grávidas ou com bebê recém-nascido, crianças com menos de dois anos, idosos com mais de 70 anos e portadores de doenças crônicas, porque a imunidade é mais baixa. – informaram.

Outro ponto importante apontado por eles é a atenção à prevenção, que vale para todos os tipos de gripe: lavar as mãos frequentemente com água e sabão, especialmente depois de tossir ou espirrar; ao tossir e espirrar, cobrir o nariz e a boca com um lenço, preferencialmente descartável; não compartilhar alimentos, copos, toalhas e objetos de uso pessoal; pessoas com qualquer gripe devem evitar ambientes fechados e com aglomeração de pessoas; não usar medicamentos sem orientação médica - a automedicação pode ser prejudicial à saúde; procure o seu médico ou a unidade de saúde mais próxima em caso de gripe (principalmente se os sintomas comuns forem associados a dificuldades respiratórias) para diagnóstico e tratamento adequados.

Prefeitura faz balanço da gripe

De acordo com a Secretaria de Saúde, 33 casos suspeitos foram notificados à Coordenadoria de
Epidemiologia em 2013. Destes, 30 foram descartados e apenas três confirmados. Neste ano, até o mês de agosto, oito casos suspeitos foram notificados. Todos os resultados deram negativo em relação à H1N1. Em setembro, até esta terça-feira (23) foram nove notificações, sendo três casos confirmados após a realização de exames, e três aguardam resultado laboratorial.

Um dos pacientes com diagnóstico confirmado está internado no Hospital Alcides Carneiro, recebendo todos os cuidados necessários, e passa bem. Os outros três pacientes com suspeita de H1N1, também internados no HAC e, apesar de ainda não terem o resultado dos exames, já estão sendo medicados previamente.

A Coordenadoria de Epidemiologia lembra que a gripe é uma virose causada por vários agentes etiológicos (vírus), caracterizada por sintomas comuns como febre, coriza, tosse e mal estar, entre outros. Normalmente, os sintomas desaparecem em até seis dias. Em alguns casos, há complicações, com o paciente apresentando falta de ar e pressão baixa, além de piora do estado geral. Essas complicações, identificadas como Síndrome Respiratória Aguda Grave, têm indicação de monitoramento permanente e são de notificação compulsória.

Quem tiver interesse em se vacinar pode procurar o Centro de Epidemiologia atrás do Hospital Municipal Nelson de Sá Earp (HMNSE). A imunização começa a surtir efeito 10 dias após a aplicação, mas ela não impede a gripe, e sim inibe o seu agravamento.

Via Diário