Roque Navarro, repórter fotográfico há 48 anos, morre em Petrópolis



Fernanda Soares / Do G1 Região Serrana - O repórter fotográfico Roque Navarro morreu às 5h desta sexta-feira (12) aos 66 anos vítima de complicações da cardiomegalia, doença popularmente conhecida como “coração grande”, em Petrópolis, na Região Serrana do Rio. Ele morreu na UTI do Hospital Clínico de Correas vítima de broncoaspiração, ocorrida após uma parada cardíaca. No laudo médico consta ainda como causa da morte pancreatite (inflamação do pâncreas) aguda e insuficiência respiratória pulmonar aguda. O velório será à tarde na Câmara Municipal de Petrópolis e o enterro está previsto para este sábado (13), às 9h, no Cemitério Municipal da cidade.

O profissional nasceu em Corumbá, no Mato Grosso do Sul, em março de 1948, e mudou-se para Petrópolis ainda jovem, aos 18 anos de idade. Na cidade, Roque trabalhou com o ex-prefeito Sergio Fadel, presidiu a Associação de Moradores do Vista Alegre, bairro onde morava. E também foi presidente da Associação Petropolitana de Imprensa (API). Ele trabalhou na maioria dos jornais impressos da cidade, começando no Diário de Petrópolis. Logo depois, ele foi contratado pela Tribuna de Petrópolis, onde atuou por cerca de 20 anos.

´Patrimônio da imprensa petropolitana`

Figura conhecida na imprensa, no meio político e nos bares da cidade, Roque Navarro era querido e respeitado pela humildade, simplicidade e competência. Sempre com a máquina em punho, esteve presente nos acontecimentos mais importantes de Petrópolis. Para os fotógrafos que trabalhavam com ele, a convivência era sempre um aprendizado.

“Ele tinha uma capacidade incrível de conseguir fotos boas em condições totalmente desfavoráveis. Na correria das coberturas, no dia a dia, ele conseguia fazer fotos de dentro do carro em movimento que ficavam perfeitas”, lembrou o também repórter fotográfico Alexandre Carius.

Roque era um dos mais antigos repórteres fotográficos da cidade e recebeu o título de "patrimônio da imprensa petropolitana" dos amigos de profissão. Além do talento para a fotografia, o olhar diferenciado e o profissionalismo, os amigos e colegas de trabalho ressaltam o jeito tranquilo e bem humorado de Roque Navarro. “Nem com a saúde abalada nós o víamos triste. Estava sempre nos arrancando gargalhadas e fazendo nossas noites de fechamento (finalização gráfica do jornal) mais alegres”, ressaltou a subeditora da Tribuna de Petrópolis, Letícia Muniz.

Em 2002, o profissional, que também fotografava eventos, chegou a lançar um jornal próprio, o Folha da Cidade. Segundo a neta Maristela Navarro, de 24 anos, o projeto logo chegou ao fim e Roque continuou trabalhando nos veículos de comunicação de Petrópolis. “Não conheço um jornal dessa cidade que ele não tenha trabalhado”, brinca ela, que revela: “Ele tinha em casa a primeira máquina que usou na vida. Temos fotos dele bem novinho, com cabelo preto ainda e a máquina na mão”.

Roque Navarro era casado com Celma Maciel dos Santos, tinha três filhas, sendo uma com 10 anos de idade, além de nove netos e cinco bisnetos. O sexto vai nascer em outubro. A família ainda não definiu o horário do enterro porque aguarda a chegada de parentes de fora da cidade.

Políticos da cidade falam de Roque Navarro
Personalidades políticas que tiveram contato com o fotógrado aproveitaram para falar da importância do profissional para a história do jornalismo local. O deputado estadual Bernardo Rossi (PMDB) enviou a seguinte nota de pesar à imprensa.

“Roque Navarro era uma figura ímpar, uma pessoa cativante e um profissional experiente e muito competente. Por onde passou, Roque deixou amigos. Suas lentes acompanharam meu trabalho na Câmara de Vereadores e também como deputado em muitas outras oportunidades. O jornalismo da cidade fica mais pobre com a partida de Roque Navarro. Os petropolitanos sentirão falta do seu olhar atento e experiente sobre as questões importantes para a cidade - sempre retratadas de forma fiel. Nesse momento de dor para todos que partilharam a vida com ele, nos resta agradecer e dar a este profissional o reconhecimento merecido pelo trabalho em prol da nossa cidade e dos petropolitanos. Lamentamos profundamente a perda de Roque Navarro. Meus sentimentos aos parentes e amigos, neste momento de inconsolável tristeza”.

O presidente da Câmara de Vereadores, Paulo Igor (PMDB), onde Roque será velado, também lementou a perda para a imprensa petropolitana.

“Recebemos com muita tristeza a notícia da morte do fotógrafo Roque Navarro. Profissional competente, que tantas vezes registrou momentos importantes para a cidade na Câmara de Vereadores. Seu jeito alegre despertava simpatia em todos e seu olhar atento sobre os fatos, se traduzia em imagens - registros que sempre ajudarão a contar a história de Petrópolis. Em nome da Câmara de Vereadores, agradeço ao empenho deste profissional, que tantas vezes acompanhou nosso trabalho. Roque era muito querido entre os vereadores e funcionários da casa, assim como em todos os lugares por onde passou. Me solidarizo com os parentes e amigos, neste momento de profunda dor”.

Comentários