Laudos para indenizações de 13 casas no Duarte da Silveira saem até o fim da semana Prazo foi dado pela Concer em reunião a pedido de Bernardo Rossi


Em desdobramento a audiência pública realizada na Assembléia Legislativa do Rio  (Alerj) mês passado, o presidente da Concer (Concessionária que administra o trecho Rio-Juiz de Fora da BR-040), Pedro Jonsson se reuniu na tarde desta segunda-feira (1º) com moradores do Duarte da Silveira, selando um compromisso assumido com o deputado estadual Bernardo Rossi. O deputado, que preside a Comissão Especial instituída pela Alerj para acompanhar as obras da nova pista da BR-040 e seus impactos na vida urbana de Petrópolis, vem acompanhando a situação dos moradores do Duarte da Silveira, onde 13 imóveis deverão ser desapropriados para a construção do túnel da nova pista de subida da Serra.

“É preciso que a concessionária se comprometa com os moradores e os informe claramente sobre o que vai acontecer. Estamos falando de pessoas que constituíram suas famílias, vivem naquela comunidade há mais de 30, 40 anos. Elas precisam receber orientações, ser informadas sobre prazos. Precisam saber como será o processo de desapropriação e quanto receberão por seus imóveis. Ficou claro nas audiências públicas que falta envolvimento da Concer com a comunidade da Duarte da Silveira, por isso consideramos estas reuniões um avanço”, considera Bernardo Rossi, lembrando que a Comissão, na Alerj, cobra o mesmo envolvimento  da empresa junto aos petropolitanos, que são os principais interessados na nova pista e os mais lesados em alta tarifa de pedágio e uma estrada em condições ruins.

A reunião aconteceu no início da tarde no canteiro de obras, próximo à comunidade. Moradores dos 13 imóveis que serão desapropriados para a construção do túnel da nova subida da serra foram informados que até o fim desta semana terão em mãos os laudos técnicos apontando os valores que deverão ser pagos como indenização para retirada das casas. O prazo foi anunciado pelo presidente da Concer Pedro Jonsson.  A entrega dos laudos é o primeiro passo para as negociações de desapropriação.

“Vamos esperar o laudo para saber qual a avaliação feita pelos técnicos da Concer. Nossa maior preocupação é que o valor que nos paguem não seja suficiente para que nossa família consiga adquirir outro imóvel em local seguro e com as condições que temos hoje aqui”, disse a moradora Fabiana Patrocínio, que mora em uma casa na rota da obra.

Além do valor que será pago pelas desapropriações, moradores, se preocupam com os impactos da obra nos demais imóveis. “As detonações para abertura do túnel são muito fortes, estremecem tudo dentro de casa. Nossa preocupação é  também com a segurança das casas que não serão retiradas”, diz a moradora Joseane Batista dias Ribeiro, que participou da reunião. O projeto inicial da concessionária previa a retirada de 45 propriedades mas foi  alterado, passando para 13 imóveis.  A alteração do projeto foi realizada no eixo do desemboque da rodovia.

“Dentro destas negociações, temos o compromisso de analisar, caso a caso, a situação de cada morador e buscar a melhor solução para viabilizar a desapropriação, causando o mínimo possível de transtornos. Quanto aos demais imóveis, nos já sabemos que não há risco estrutural decorrente das obras. Nada do que for feito irá comprometa-las. A Concer se responsabiliza, e não deixará de prestar assistência, caso aconteça qualquer problema decorrente das obras”, assegura Pedro Jonsson.

A reunião contou ainda com a presença de Alcimar Pena, gerente de engenharia da Concer e Claudia Ferrari Barbosa, advogada da Concer.  

Via ASCOM

Comentários