Comerciantes da Paulino Afonso fecham rua em protesto



A criação de uma faixa exclusiva para ônibus na Rua Paulino Afonso está preocupando comerciantes e moradores da via. Com a decisão anunciada em uma das reuniões do Conselho Municipal de Transportes (Comutran), quase 200 pessoas perderão o emprego, já que será decretado o fim do estacionamento naquela rua. Pelo menos é o que garantem os comerciantes da área. Ontem pelo menos 30 comerciantes fecharam a pista por alguns minutos esperando por uma solução por parte da prefeitura.

Conforme a Ata de reunião realizada no dia 15 de julho de 2014, apresentada pelos comerciantes aos jornalistas que cobriram a manifestação, a ideia da CPTrans é implantar a faixa exclusiva para os coletivos nos mesmos moldes da Visconde de Souza Franco. Com isso a prefeitura acredita que os constantes congestionamentos na Paulino Afonso terão fim.

Mas não é bem isso que pensam os comerciantes da via, alguns com quase 50 anos no local. Luis Castro Veiga contou que a mudança pretendida pela prefeitura vai acabar com o comércio do local.
- A CPTrans precisa arranjar outras soluções. Nós geramos empregos e pagamos impostos. O pior é que nem fomos consultados sobre a decisão da CPTrans – explicou o comerciante.

Ele disse ainda que, segundo informações do Comutran a faixa exclusiva começaria do prédio principal do Hospital Santa Teresa até a saída da Rua Paulino Afonso, em frente a um colégio de enfermagem que fica na Rua Montecaseros.

- A determinação da prefeitura não vai resolver a situação. Outras medidas precisam ser tomadas – acredita Luis Castro que possui comércio na via há 26 anos.

Outros protestos serão realizados em breve

Caso a decisão anunciada no Comutran não seja revista os comerciantes fecharão a Rua Paulino Afonso novamente. Para Alexandre Bittencourt dono de um mercadinho do local, o grande problema está no ponto de ônibus que fica em frente à Praça Oswaldo Cruz.

- Quando param dois ônibus lá o trânsito para – denuncia.

Sérgio Leonardes, dono de uma farmácia e a 40 anos no ponto, considerou a situação como ridícula.
- O comércio aqui de nossa rua evita transtornos no Centro e é mais uma oferta de serviços – assegura.

O sapateiro Walter Cardinelli há 50 anos no local disse que a rua precisa é mesmo de uma faixa de pedestre.

- As crianças da Vila São José encontram dificuldades para atravessarem - afirma.

Números fornecidos

Segundo levantamento feito pelos comerciantes da Rua Paulino Afonso, 180 pessoas perderão o emprego se o estacionamento na via acabar. Alguns estabelecimentos estão no local há quase 50 anos. Só uma serraria emprega 30 pessoas e um dos restaurantes outras 20.

Implantação de corredor exclusivo está em estudo

A CPTrans informa que não há qualquer decisão neste sentido e esclarece que a criação de corredores exclusivos para ônibus foi apontada, ainda em março, durante a Conferência da Cidade, como uma das ações que deveriam fazer parte do Plano de Mobilidade Urbana. O tema também foi levantado em reuniões do Conselho Municipal de Trânsito e Transportes (Comutran), formado por representantes do poder público e da sociedade civil. Na reunião do mês de agosto, empresários apresentaram sugestões de locais para corredores exclusivos e solicitaram à companhia estudos de viabilidade técnica. Os estudos estão em andamento.

A CPTrans esclarece, ainda, que a ata da última reunião do COMUTRAN, realizada no mês de agosto, será aprovada na reunião ordinária agendada para ontem (09). Após, será disponibilizada no site da Companhia.

Via Diário
Edson Cunha