Cobrança de reboque e diárias rende mais de meio milhão em seis meses



Paulo Igor quer saber em que foi investido o repasse feito à CPTrans

Taxas de reboque e diárias de veículos apreendidos em operações de fiscalização de trânsito realizadas nos primeiros seis meses deste ano geraram uma arrecadação de R$ 517.501,13.  A Câmara de Vereadores, que averigua cobrança irregular de diárias de veículos apreendidos, vai fiscalizar se parte da arrecadação que cabe aos cofres públicos está sendo usada em melhorias como sinalização viária e campanhas educativas para garantir um trânsito melhor na cidade que possui cerca de 130 mil veículos em circulação.
Desde que a empresa Rodando Legal foi contratada pela Companhia Petropolitana de Trânsito e Transportes (CPTrans), em janeiro, 1.634 veículos foram recolhidos ao depósito, no bairro Morin. Destes 1.451 são carros e 183 motocicletas. A maior parte das apreensões acontece por conta de irregularidade na documentação dos veículos e estacionamento em locais proibidos. Os dados fazem parte de um relatório enviado semana passada à Câmara de Vereadores em resposta a um pedido de informações feito pelo presidente da Câmara, Paulo Igor (PMDB) e pelo vereador Anderson Juliano (PT). Os vereadores investigam denúncias de irregularidades na cobrança de diárias de veículos recolhidos ao depósito da empresa Rodando Legal.

“O volume de documentos que recebemos da CPTrans é grande. Ainda estamos analisando e verificando todos os pontos, como por exemplo a cobrança de diárias a mais nos  fins de semana, que foi alvo de denúncias à Câmara. Mas, já nos chama atenção o volume financeiro que a empresa movimentou nestes primeiros meses. Vamos questionar a CPTrans, para saber em que tipo de ações está sendo investido o repasse de 15% que a Companhia recebe da Rodando Legal. O correto é que a arrecadação seja revertida em melhorias para o trânsito como implementação de sinalização e campanhas educativas, por exemplo. Precisamos saber se isso está sendo feito e onde foram feitas as melhorias”, pontua Paulo Igor. Se a empresa mantiver a atual média mensal de arrecadação em R$ 86.250,23, a projeção é de que em um ano a CPTrans chegue a receber mais de R$ 150 mil em repasses da Rodando Legal.

 O serviço de reboque começou a funcionar em janeiro - as primeiras apreensões aconteceram no dia 24. Em oito dias de janeiro a empresa arrecadou R$ 12.027,82. Em fevereiro, a arrecadação subiu para R$ 81.299,79. Os relatórios mostram que há casos em que os veículos chegam a ficar 30 dias no depósito, acumulando dívidas de R$ 2.110,80 somente com custo de diárias. Casos como este contribuíram para que  em junho a Rodando Legal arrecadasse R$ 153.303,62.

 “Precisamos saber se os proprietários estão sendo informados que podem parcelar débitos para conseguir acertar a documentação e retirar os veículos mais rápido do depósito”, comenta Paulo Igor, lembrando que a Câmara também está questionando a CPTrans sobre o direito facultado aos proprietários de veículos com documentos irregulares. Até o dia 30 de junho 362 veículos com pendências ainda não haviam sido retirados do pátio da empresa.  

O pedido de informação sobre o serviço de reboque foi encaminhado à CPTrans no início de julho e respondido na semana passada. Entre os principais pontos a serem esclarecidos aos vereadores está a cobrança de diárias de veículos apreendidos em operações realizadas nas sextas-feiras e retirados do depósito na segunda. Em audiência pública sobre o reboque, em junho, proprietários denunciaram cobranças de mais diárias do que o devido.

 “Antes de enviar a documentação à Câmara, a CPTrans divulgou que a Rodando Legal terá de devolver R$ 8.378,52  a 43 motoristas que pagaram diária a mais. Isso já foi uma vitória para nós e para todos que trouxeram estas denúncias à Câmara. Estamos analisando toda documentação enviada pela CPTrans para verificar se algum outro ponto precisa ser esclarecido”, finaliza Paulo Igor.

Via Diário

Comentários