Começou ontem a Campanha Municipal de Vacinação contra Hepatites Virais



ASCOM: Começou ontem (28) a campanha municipal pelo Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais. Na cidade, as ações desenvolvidas pela Prefeitura estão sendo intensificadas nas unidades de saúde, com a mobilização de moradores das comunidades e vacinação na sede do Programa DST/Aids e Hepatites (que funciona em um prédio anexo do Hospital Municipal Nelson de Sá Earp). Durante toda a semana serão feitos gratuitamente, no local, os testes rápidos para detecção da doença.

“Esperamos realizar cerca de 30 testes rápidos por dia até sexta-feira, quando termina a campanha. É importante que as pessoas participem da mobilização e que venham tirar suas dúvidas”, disse a coordenadora do Programa DST/Aids, Maria Inês Ferreira. O objetivo da campanha é sensibilizar, envolver e informar profissionais de saúde e toda a sociedade sobre a importância da prevenção e da ampliação do acesso à vacinação contra hepatite B.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), dois bilhões de pessoasno mundo já tiveram contato com o vírus da hepatite B (VHB) sendo que 350 a 400 milhões são portadores crônicos, compreendendo aproximadamente 5% da população mundial. Em Petrópolis, os dados divulgados pelo Programa DST/Aids revelam um quadro de incidência parecido com as taxas do Estado do Rio de Janeiro. Em 2012, foram notificados na cidade 12 casos novos de Hepatite B, representando uma incidência de 4%. Em relação à Hepatite C, foram 66 registros no município, o que representa uma incidência de 22,2%.

Os testes rápidos (com resultado em cerca de 20 minutos) poderão ser realizados de segunda a sexta-feira (entre os dias 28/7 a primeiro de agosto), no horário de 8h as 17h. A vacina contra a Hepatite B pode ser encontrada nas unidades de saúde e no Setor de Epidemiologia (ao lado do Hospital Municipal Nelson de Sá Earp) e é indicada para todas as pessoas com idade até 49 anos ou para os públicos específicos (independente da idade), conforme indicações do Ministério da Saúde. São eles: gestantes após o primeiro trimestre de gestação, trabalhadores da saúde, bombeiros, policiais, carcereiros de delegacias e de penitenciárias, coletor de lixo hospitalar e domiciliar, doadores de sangue, homens e mulheres que mantêm relações sexuais com pessoas do mesmo sexo, público LGBT, pessoas reclusas (presídios, hospitais psiquiátricos, instituições de menores, forças armadas, dentre outros), manicures, pedicures e podólogos, profissionais do sexo, usuários de drogas injetáveis e inaladas, portadores de DST e caminhoneiros, entre outros.