segunda-feira, 7 de julho de 2014

Candidatos de fora e “políticos veranistas” começam a aparecer em Petrópolis



Para muitos o cenário político se resume aos cargos ocupados por políticos e assessores, mas falando de coisa pequena, existe um ‘‘universo’’ em cada cidade que vai muito além do que eu ou você podemos identificar, sempre tento explicar a política de maneira simples e se você sonha em ver alguma mudança em nossa cidade, estado ou país é melhor começar a entender que a política faz parte da sua vida, dita regras que você segue sem perceber, impõe preços e leis justas e injustas de acordo com a conveniência, o Brasil foi forjado na sacanagem e dificilmente Perseu renascerá entre nós. 

Diante dos fatos, me reservo o direito de ser egoísta e apesar de ter pela frente eleições nacionais e estaduais, lutar por uma cidade melhor em 2015, e para isso preciso mexer na ferida aberta de centenas de conterrâneos, e defender o voto útil para cidade. 

A partir desta bandeira serei atacado nas redes sociais, ridicularizado e perseguido, porque a estrutura que sustenta grandes mentiras de personagens políticos que de tempos em tempos desfilam por aqui mantém o bolso de muita gente cheio. 

Você sempre lê nesta página minha luta contra o governo Bomtempo, mas você nunca leu um ataque ao seu direito de estar no cenário como opção para o seu voto, isso porque independente de minhas opiniões, sentimentos ou vaidade, eu lutaria até a morte pelo nosso direito de escolher um candidato da terra, e não entenda isso como sendo petropolitano, mas sim que tenha aqui uma história verdadeira, e não uma grande farsa como alguns tentam vender.

Começou a temporada de enganação, gente que nunca sujou os pés em uma das enchentes que enfrentamos começa a aparecer através de uma emenda aqui, uma notinha ali, mas o que me interessa é que hoje temos uma arma para desmascara-los, as mídias sociais serão a carta de alforria do eleitor e estou me preparando para uma guerra, não por acreditar que aqui temos os melhores nomes da política, como vocês sou um produto da decepção com a classe, e também como vocês não sou santo, mas sei bem que o dinheiro que sustenta muitos (não todos) políticos locais, líderes comunitários, cabos eleitorais, jornalistas, empresários e tantos outros profissionais o ano inteiro custa caro para cidade, as emendas e a atenção que poderia ajudar Petrópolis a sair do caos vão para outras cidades por três anos e meio, então como diria meu amigo Luizinho Mané, vou defender o ‘‘menos pior’’ para minha terra, e isso vai atingir em cheio o calo de muita gente. 

Nenhum político de outra cidade vai defender Petrópolis na Alerj ou em Brasília, vão buscar aqui os votos que precisam para eleger-se e depois não serão cobrados por mais nada, sem compromissos com a nossa terra, longe do nosso alcance ou da imprensa local perderemos a chance sequer de cobrar qualquer coisa até que o ciclo do esquecimento se complete novamente e chegue outra eleição. 

É um grande e milionário esquema, mas ao contrário do que muitos pensam a moeda aqui não é o dinheiro e sim os 200 mil votos que podemos oferecer, estima-se que pelo menos metade vão para candidatos de fora, outra parte considerável vai para os políticos veranistas, então, abra os olhos! 

Nenhum comentário: