quinta-feira, 19 de junho de 2014

Cremerj fiscaliza UPAs da cidade e encontra irregularidades



Edson Cunha

As constantes reclamações sobre a falta de médicos nas duas Unidades de Pronto Atendimento de Petrópolis, bem como de condições de trabalho, como a imprensa local vem publicando, levaram integrantes do Cremerj (Conselho Regional de Medicina), a fiscalizarem ontem pela manhã as UPAs do Centro e de Cascatinha.

A fiscalização teve início por volta das 9h30 na UPA do Centro, que fica na Rua Washington Luiz. No local, o vice-presidente do Cremerj, Nelson Nahon e o coordenador da Seccional Petrópolis do Conselho, Jorge Gabrich, encontraram diversas irregularidades, principalmente na infraestrutura das unidades.

- Nosso objetivo é apontar os problemas e enviar um relatório para a prefeitura para que os mesmos sejam resolvidos – explicou Gabrich.

Mas, a grande preocupação dos representantes do Cremerj é mesmo a falta de médicos nas duas unidades.

- Tivemos informações que aos fins de semana não aparecem médicos. Isso não pode acontecer – explicou Nahon.

Os representantes do Cremerj denunciaram ainda que pacientes estão ficando internados nas UPAs entre 15 a 20 dias.

- Estes pacientes deveriam ser transferidos para hospitais e não ficarem nas UPAs – contou o vice-presidente do Conselho, considerando a situação como muito grave.

Tanto Gabrich quanto Nahon lembraram que outra irregularidade cometida pelas administrações das UPAs, é de que funcionários estariam recebendo por RPA (Recibo de Pagamento ao Autônomo), o que de acordo com eles é proibido por lei.

- Vamos encaminhar ao Ministério do Trabalho as irregularidades que estão sendo verificadas aqui – disse o vice-presidente do Conselho.

Durante a visita à UPA de Cascatinha os médicos contaram que duas macas foram encontradas em um Box, o que, segundo eles, fere a legislação, já que é permitido apenas uma no setor.
- Isso expõe o paciente a infecções – garantiu Haubrich.

O Cremerj vai solicitar à Secretaria de Saúde a estatística de atendimentos diários e quantos médicos atendem a população.

- Após estes números, vamos enviar o relatório ao Ministério Público junto com as exigências que estamos pedindo – assegurou Nelson Hahon, acrescentando que o documento também será enviado à secretaria municipal de Saúde.
A data para a conclusão do documento ainda não foi definida.

Idoso não consegue médico

O aposentado Manoel José Soares, de 84 anos, esteve ontem pela manhã à procura de um dermatologista para sua esposa, Evana Xavier Bezerra, de 84, mas não conseguiu na UPA de Cascatinha.

- Ela mora no Carangola mas no PSF do bairro não possui esta especialidade. Me orientaram a vir na UPA – disse o aposentado.

De acordo com ele os atendentes da UPA o orientaram a voltar nesta quinta-feira até a Unidade de Pronto Atendimento.

- Ela está sofrendo muito e precisa de atenção – garantiu.

Via Diário

Nenhum comentário: