sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Pezão e Crivella trocam acusações em debate com torcidas difíceis de conter



Fabiana Paiva: Luiz Fernando Pezão (PMDB) e Marcelo Crivella (PRB) não cumpriram as promessas de fazerem menos ataques no último debate antes das eleições. A temperatura subiu no encontro organizado pela TV Globo na noite desta quinta-feira (23), com destaque para as torcidas dos candidatos, que não respeitaram as regras e pouco contiveram as provocações.

No primeiro bloco, os aspirantes começaram trazendo algumas propostas para as áreas de Saúde, Segurança e Educação. Mas as trocas de acusações, permeadas pelos gritos das torcidas, foram mudarando o foco do debate.

Quando o tema Saneamento entrou em pauta, o senador repetiu mais de uma vez que Pezão gastou praticamente a mesma coisa com propaganda e saneamento.

"Você sabe quanto seu governo investiu em saneamento? R$ 330 milhões. E em propaganda? R$ 309 milhões. Praticamente o que você investiu em saúde, investiu em autopromoção", afirmou Crivella.

Em sua defesa, o governador aproveitou para atacar o aliado do adversário: "Esse convívio seu com o (Anthony) Garotinho está muito ruim. Você esta mentindo igual a ele", alfinetou o candidato do PMDB.

Crivella, que normalmente mantém a fala mansa, perdeu a compostura em alguns momentos. Em resposta sobre Segurança, aproveitou para criticar os escândalos do atual governo: "Vocês dançam na boca da garrafa, com guardanapo na cabeça em Paris. Um governador não pode ter tanto escândalo, porque senão, você não tem moral. Vocês perderam o controle", atacou Crivella.

Pezão, que logo no início já chamou o oponente de "bispo", também não poupou munição, enfatizando a associação do adversário com Edir Macedo e com a Igreja Universal: "No meu governo, quem governa sou eu. O espelho da corporação sou eu. Você quer botar aqui o bispo Macedo, que você é testa de ferro", disparou o governador.

Mas o senador não engoliu a seco: "Pezão, infelizmente, você perdeu o juízo. Quer misturar política com religião para não discutir corrupção porque integra um governo corrupto", disse Crivella, acrescentando que o advérsário "puxou saco" de Edir Macedo em inauguração de tempo.

Com um debate com as acusações de sempre, o elemento novo ficou por conta de uma sirene que disparou no estúdio no último bloco, assustando a todos. A torcida - que quase abafou a voz da mediadora no encerramento - também foi novidade.

fonte: Jornal Extra/Blog Extra Extra
Leia mais...

Gerp: Crivella perde pontos e Pezão empata tecnicamente



O instituto Gerp, que no início deste segundo turno mostrou  Marcelo Crivella (PRB) liderando com folga (aqui), agora já aponta uma queda do senador e o crescimento do governador Luiz Fernando Pezão (PMDB). Se no último dia 17 (aqui) a pesquisa mostrava Crivella com 55% e Pezão, com 45%, agora o quadro é outro. De acordo com o levantamento divulgado hoje pelo Grupo Record, Crivella caiu quatro pontos e ficou com 51%. Já o governador Pezão cresceu quatro pontos e chegou a 49%. Levando em consideração os votos totais, de acordo com o Gerp, Crivella tem 40% das intenções de voto e Pezão, 39%. Eleitores indecisos totalizam 11% dos entrevistados e votos brancos ou nulos somam 10%. Na pesquisa divulgada no dia 11 de outubro Crivella tinha 44% e Pezão, 36%.

Crivella exaltou instituto - Nos seus últimos programas na TV Crivella destacou as pesquisas do Gerp, que mostravam sua liderança com folga, e criticou os institutos Ibope e Datafolha. Já Pezão dizia que as “pesquisas contratadas por Crivella não estavam batendo com a realidade” e, por isso, o adversário “andava meio desesperado”.

Entre os dias 22 e 23 de outubro, o instituto ouviu 1.300 pessoas no estado do Rio de Janeiro. A margem de erro da pesquisa é de 2,77 pontos percentuais para mais ou para menos. A pesquisa foi registrada no TRE-RJ com o número 00074/2014.

Rejeição - A pesquisa mostra que o índice de rejeição do candidato Luiz Fernando Pezão é de 25%, enquanto o senador Marcelo Crivella aparece com 22%.
Perfil do eleitor - De acordo com o instituto Gerp, Crivella tem maior aprovação entre os eleitores mais jovens. O levantamento mostra que o senador é o preferido entre os entrevistados que tem entre 16 e 34 anos. Pezão é o candidato dos eleitores mais velhos e tem vantagem sobre o adversário entre os que têm de 35 a 44 anos e 60 anos ou mais.

Erros e acertos - No dia 30 de setembro uma pesquisa do instituto Gerp mostrou (aqui) o governador Luiz Fernando Pezão liderando com 25% e Crivella empatado com Garotinho (20% cada um). Na ocasião, o portal R7, da Record, apontou um empate técnico entre os três candidatos. Porém, o resultado do primeiro turno mostrou Pezão com 40,57% dos votos e Crivella com 20,26%. Garotinho ficou na terceira posição, com 19,73%. Ou seja, o instituto acertou os números de Garotinh0 e Crivella, mas errou em relação a Pezão.

Fonte: Portal R7
Pesquisas Ibope e Datafolha – Se a pesquisa do Gerp aponta um empate técnico, os levantamentos divulgados ontem pelos institutos Ibope e Datafolha mostram o governador Pezão liderando com dez pontos à frente de Crivella. Veja aqui 
Leia mais...

Ibope e Datafolha mostram Dilma na frente



Pesquisa Ibope divulgada ontem aponta os seguintes percentuais de votos válidos no segundo turno da corrida para a Presidência da República:

- Dilma Rousseff (PT): 54%
- Aécio Neves (PSDB): 46%

Para calcular esses votos, são excluídos da amostra os votos brancos, os nulos e os eleitores que se declaram indecisos. O procedimento é o mesmo utilizado pela Justiça Eleitoral para divulgar o resultado oficial da eleição.
A pesquisa foi encomendada pela TV Globo e pelo jornal “O Estado de S. Paulo”.
No levantamento anterior do instituto, divulgado no dia 15, Aécio tinha 51% e Dilma, 49%.

Votos totais

Se forem incluídos os votos brancos e nulos e dos eleitores que se declaram indecisos, os votos totais da pesquisa estimulada são:
- Dilma Rousseff (PT): 49%
- Aécio Neves (PSDB): 41%
- Branco/nulo: 7%
- Não sabe/não respondeu: 3%

O Ibope ouviu 3.010 eleitores em 203 municípios entre os dias 20 e 22 de outubro. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%, o que quer dizer que, se levarmos em conta a margem de erro de dois pontos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-01168/2014.

Datafolha

Pesquisa Datafolha divulgada hoje aponta os seguintes percentuais de votos válidos no segundo turno da corrida para a Presidência da República:
- Dilma Rousseff (PT): 53%
- Aécio Neves (PSDB): 47%

Para calcular esses votos, são excluídos da amostra os votos brancos, os nulos e os eleitores que se declaram indecisos. O procedimento é o mesmo utilizado pela Justiça Eleitoral para divulgar o resultado oficial da eleição.
A pesquisa foi encomendada pela TV Globo e pelo jornal “Folha de S.Paulo”.
De acordo com o Datafolha, a presidente Dilma Rousseff (PT) tem uma vantagem inédita sobre Aécio Neves (PSDB) no segundo turno da eleição presidencial.
No levantamento anterior do instituto, divulgado no dia 22, Dilma tinha 52%, e Aécio, 48% dos votos válidos.

Votos totais
Se forem incluídos os votos brancos e nulos e dos eleitores que se declaram indecisos, os votos totais da pesquisa estimulada são:
- Dilma Rousseff (PT): 48%
- Aécio Neves (PSDB): 42%
- Em branco/nulo/nenhum: 5%
- Não sabe: 5%

O Datafolha ouviu 9.910 eleitores em 399 municípios nos dia 22 e 23 de outubro. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%. Isso significa que, se forem realizados 100 levantamentos, em 95 deles os resultados estariam dentro da margem de erro de dois pontos prevista. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-01162/2014.

(Fonte: G1)
Leia mais...

Datafolha e Ibope: Pezão 10 pontos à frente de Crivella



Pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira (23) mostra os seguintes percentuais de intenção de votos válidos na corrida para o governo do Rio de Janeiro no segundo turno:

Luiz Fernando Pezão (PMDB) – 55%
Marcelo Crivella (PRB) – 45%

Para calcular esses votos, são excluídos da amostra os votos em branco, os nulos e os eleitores que se declaram indecisos. O procedimento é o mesmo utilizado pela Justiça Eleitoral para divulgar o resultado oficial da eleição.

Votos totais - Se forem incluídos os votos em brancos e nulos e os dos eleitores que se declaram indecisos, os votos totais da pesquisa estimulada são:

Luiz Fernando Pezão (PMDB) – 46%
Marcelo Crivella (PRB) – 38%
Em brancos/nulo/nenhum – 10%
Indecisos – 6%

Número para confirmar ou anular o voto - Foi perguntado aos eleitores qual o número eles vão digitar na urna eletrônica para confirmar ou anular seu voto para governador. A pesquisa mostra o seguinte resultado:

Menções corretas: 72%
Não sabe o número do candidato: 23%
Menções incorretas: 3%
Não sabe como anular o voto: 3%

Decisão de voto - Apresentados os dois candidatos que estão na disputa pelo governo do Rio, a pesquisa perguntou aos eleitores sobre sua decisão de voto. Os percentuais são os seguintes:

Luiz Fernando Pezão: 

Votaria com certeza: 41%
Talvez votasse: 22%
Não votaria de jeito nenhum: 36%
Não sabe: 1%

Marcelo Crivella: 

Votaria com certeza: 36%
Talvez votasse: 21%
Não votaria de jeito nenhum: 42%
Não sabe: 1%.

A pesquisa foi realizada entre os dias 22 e 23 de outubro, com 1.554 entrevistados em 38 municípios. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%. Isso significa que, se forem realizados 100 levantamentos, em 95 deles os resultados estariam dentro da margem de erro de três pontos prevista. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral com o número RJ-00075/2014 e BR-01162/2014.

Pesquisa – Ibope 

Pesquisa Ibope divulgada nesta quinta-feira (23) também mostrou Pezão com 55% contra 45% de Crivella.

Votos Válidos:

Luiz Fernando Pezão (PMDB) – 55%
Marcelo Crivella (PRB) – 45%

A pesquisa foi encomendada pela TV Globo. No levantamento anterior do instituto, divulgado na segunda-feira (20), Pezão tinha 56% e Crivella, 44%.

Votos totais

Se forem incluídos os votos brancos e nulos e dos eleitores que se declaram indecisos, os votos totais da pesquisa estimulada são:

Luiz Fernando Pezão (PMDB) – 46%
Marcelo Crivella (PRB) – 37%
Branco/nulo – 12%
Indecisos – 5%

O Ibope fez a pesquisa entre os dias 20 e 22 de outubro. O instituto ouviu 2002 eleitores. A margem de erro é de dois pontos, para mais ou para menos. A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral com o número RJ-00076/2014 e no Tribunal Superior Eleitoral sob o protocolo BR 01164/2014.

Fonte: G1
Leia mais...

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

TCE aprova contas de 2013, mas alerta para déficits na Comdep e na CPTrans



Os conselheiros do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ) aprovaram as contas da administração financeira de 2013 de Petrópolis, apontando um aumento de 8,01% da Receita em 2013 em comparação ao mesmo período de 2012. Apesar deste dado positivo e de, pela primeira vez, as contas da Prefeitura terem parecer favorável do Corpo Instrutivo, o conselheiro Marco Antonio Alencar, relator do processo, alerta o prefeito Rubens Bomtempo para a necessidade de que todas as despesas na área de Saúde sejam realizadas por meio do Fundo Municipal de Saúde. 

A Prefeitura esclareceu que este item foi respondido ao Tribunal, com a defesa sendo aceita. 

De acordo com a Prefeitura, alguns gastos da saúde são resultado de sequestros feitos pela Justiça para pagamento de remédios e exames, assim como abertura de contas pelo Ministério de Saúde para investimento na pasta. Na prestação de contas, estes gastos são incluídos como despesas da saúde e, por isso, não saem do Fundo de Saúde. De acordo com o parecer dos conselheiros do TCE, o parecer definitivo e aprovação das contas será feito pela Câmara dos Vereadores. No parecer, o relator acata a orientação do corpo técnico e determina que o prefeito seja alertado sobre a situação deficitária das empresas Comdep e CPTrans. 

Entre as falas, o relator determina que a Prefeitura utilize nos gastos com Educação e Saúde apenas fonte de recursos de impostos e transferências de impostos, de modo a atender plenamente ao estabelecido na Constituição Federal. 

Veja os principais assuntos analisados na prestação de contas e divulgado no site do Tribunal de Contas do Estado: 

Receita Corrente Líquida (RCL) - A Receita Corrente Líquida serve como parâmetro para analisar os limites de gastos dos municípios. No primeiro quadrimestre, Petrópolis apresentou a receita de R$ 659.808.671,30. No período seguinte, o valor passou para R$ 670.600.336,80. O último quadrimestre registrou R$ 693.444.964,50. Os dados mostram um aumento de 8,01% da Receita em 2013 em comparação ao mesmo período de 2012. 

Educação - A receita total com impostos e transferências para a área da Educação foi R$ 371.621.497,89. Os gastos na manutenção e no desenvolvimento do ensino utilizaram R$ 93.443.753,19 – 25,14% da receita de impostos.O percentual mínimo exigido pela Constituição Federal é 25%. 

Fundeb - Petrópolis recebeu do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) R$ 121.897.299,27, sendo que R$ 119.240.160,53 foram despesas consideradas como gastos do Fundo. O valor representa 97,82% do total. De acordo com a Lei Federal 11.494/07, o percentual a ser aplicado tem que ser, no mínimo, 95%. A remuneração dos profissionais do magistério em efetivo exercício na educação básica, que engloba os ensinos infantil e fundamental, foi R$ 91.699.094,08, correspondente a 75,23%dos recursos recebidos para a conta do Fundo, 

Saúde -A receita na área da Saúde foi R$ 369.591.639,45, sendo consideradas como receitas R$ 124.330.099,18. O valor corresponde a 33,64% do total. Segundo a Lei Complementar 141/12, o percentual de 15% é o mínimo a ser aplicado.

fonte: Tribuna de Petrópolis/foto: arquivo Tribuna

Leia mais...

Vereadores recebem sugestões para emendas ao orçamento de 2015

Propostas devem ser encaminhadas à Câmara até o dia 29


Com o objetivo de ampliar a participação popular e dar transparência à gestão fiscal, a Comissão de Finanças e Orçamento da Câmara de Vereadores está recebendo até o dia 29 deste mês propostas de emendas ao orçamento do município para o ano que vem. O projeto de Lei Orçamentária Anual (LOA) será votado pelos parlamentares em dezembro. A LOA estima receita e fixa despesas do município para o exercício financeiro do ano seguinte. O documento prevê que Petrópolis terá em 2015 um orçamento de R$ 806.148.480,. “A gestão da atual mesa diretora da Câmara é pautada na participação popular. Como vereadores, somos representantes da população. Por isso é fundamental estarmos atentos as suas necessidades. As propostas apresentadas por entidades e pelos moradores da cidade farão com que as emendas elaboradas pela comissão atendam estas necessidades da sociedade petropolitana”, explica o presidente da Câmara de Vereadores, Paulo Igor (PMDB).

As propostas de emendas populares podem ser protocoladas de segunda a sexta-feira, no departamento legislativo da Câmara, de 9h as 18h30. “As propostas devem cumprir exigências legais como, por exemplo, indicar de onde virá a receita para a execução do projeto. Outro ponto importante é que a ação deve estar prevista dentro da Lei de Diretrizes Orçamentárias. As propostas que atenderem aos requisitos legais, serão avaliadas e poderão ser encampadas pela Comissão de Finanças e Orçamento”, explica o presidente da Comissão, vereador Marcos Montanha (SDD).

Cidadãos que sintam dificuldades em apresentar propostas de próprio punho podem procurar o gabinete do vereador de sua preferência para obter ajuda. “A complexidade do assunto não pode impedir a participação da população. Por isso, os gabinetes de todos estão abertos para atender os cidadãos que querem se manifestar”, afirma Paulo Igor.
“As emendas definem, onde serão aplicados os recursos do município. Essa
apresentação de sugestões ajuda os vereadores a votarem e aprovarem um orçamento que atenda as necessidades da cidade. É a forma mais efetiva da população participar da tomada de decisões e ajudar a definir a aplicação de recursos da prefeitura no ano que vem”, avalia o vice presidente da Comissão, vereador Thiago Damaceno (PP).

O também integrante da Comissão de Orçamento e Finanças, vereador Anderson Juliano (PT) lembra que os parlamentares estão à disposição da população para tirar dúvidas e auxiliar. “Nossos gabinetes estão abertos a receber as sugestões e esclarecer dúvidas das pessoas. Temos o compromisso de analisar todas as propostas de emendas populares. Cumpridas as exigências legais, elas serão aproveitadas na integra e levadas para votação em plenário”, afirma Anderson Juliano.

O projeto de Lei Orçamentária Anual está à disposição para consulta na Secretaria Legislativa da Câmara de Vereadores, ou através do site: www.cmp.rj.gov.br .A defesa das propostas será feita em uma audiência pública no dia 4 de novembro, às 18h30, no plenário da Câmara de Vereadores.

Leia mais...

Centros comerciais e supermercados do estado destinarão cadeiras de rodas com cesto para pessoas com deficiência



Uma lei bem sucedida em Petrópolis vai ser levada para todo o estado beneficiando a pessoa portadora de deficiência com dificuldades de locomoção.  Centros comerciais, supermercados e casas de shows serão obrigados a colocar um cesto nas cadeiras de rodas para atender aos clientes que necessitam desse equipamento.  De autoria de Bernardo Rossi (PMDB) e Márcio Pacheco (PSC), a Lei 1.390-A/12 foi aprovada nesta quarta-feira (22.10) na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) e agora segue à sanção do governador Luiz Fernando Pezão.

Lei já vale em Petrópolis

Em Petrópolis, a Lei já é cumprida desde 2005 quando Bernardo Rossi era vereador na cidade. “A Lei vale para estabelecimentos de grande porte e foi aplicada com sucesso. Hoje, um cadeirante consegue autonomia para as compras dentro de um supermercado. Vale para pessoas com dificuldade de locomoção, ainda que não cadeirantes, mas que contam com este equipamento em lojas de grandes redes de supermercado. Estabelecimentos deste tipo com grande variedade de produtos obrigam o consumidor a andar bastante o que muitas vezes é inviável para uma pessoa com deficiência. Acoplar o cesto de compras é essencial, ainda que seja uma medida muito simples”, avalia Bernardo Rossi.
A nova legislação aprimora a Lei 2.650 em vigor desde dezembro de 1996 que já havia sofrido alterações em 2011 incluindo as casa de shows e espetáculos na obrigatoriedade de cessão de cadeiras de rodas aos clientes
   “É importante que a pessoa com deficiência tenha sua independência na hora de realizar suas compras e os cestos ajudam nesse sentido”, diz Marcio Pacheco. “Fora isso, o projeto é uma política pública que visa a integração social. A inclusão da pessoa com deficiência vai mais além do que a acessibilidade. É preciso mais condições para atividades do dia a dia para essas pessoas”, completa Bernardo Rossi.
Leia mais...

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Clarissa: “Não sou fã do PT, mas tenho lado e posição”


A deputada estadual Clarissa Garotinho (PR), que se elegeu deputada federal com 335 mil votos, que em 2006 chegou a usar uma camisa com a frase “Fora Lula”, publicou, no Facebook, uma foto ao lado da presidente Dilma Rousseff  e comentou sobre a sua postura neste segundo turno. “Não sou fã do PT. Não tenho paixão neste segundo turno nacional. Mas tenho lado e posição. É inegável que temos no Brasil o maior programa de combate à fome! O ProUni permitiu que milhares de jovens tivessem acesso à Universidade. A descoberta do pré-sal e a destinação de boa parte dos recursos para a saúde e a educação são conquistas importantes para o Brasil. O mundo está sendo afetado por uma grave crise econômica e estamos conseguindo superar sem corte de salários e diminuição de empregos. Existem problemas, sim! Muitos. Não só neste governo, no do PSDB também. E que os culpados de ontem e de hoje sejam punidos. No mais… prefiro que vença o campo popular!”, afirmou Clarissa.

No ano passado o PSDB flertou com o PR-RJ e Clarissa Garotinho chegou a ser cogitada como um reforço no ninho tucano

Conversas com Aécio - Antes do selfie com a presidente Dilma Rousseff e do apoio nesta eleição, Clarissa Garotinho chegou a trocar ideias com o senador Aécio Neves (PSDB). Inclusive, no ano passado, cogitou-se a possibilidade de Clarissa se filiar ao PSDB (aqui), em setembro do ano passado. Antes, em abril, Clarissa teria dito (aqui) que não havia compromisso do PR-RJ em apoiar a presidente Dilma. Porém, com o surgimento do movimento “Aezão”, que uniu aliados de Aécio e do governador Luiz Fernando Pezão (PMDB), o PSDB abandonou a ideia de apoiar Garotinho e encerrou o “namoro” com o PR-RJ.
Leia mais...

Em Campos, Crivella e Garotinho disparam forte contra Pezão



Na terra do deputado federal Anthony Garotinho (PR), o senador Marcelo Crivella (PRB) deixou o estilo tranquilo de lado e pegou emprestada a metralhadora giratória do seu novo aliado. Em seu discurso, no Jardim Carioca, o bispo da Igreja Universal acusou o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) de fazer parte do escândalo de corrupção da Petrobras. “Daqui a pouco vai sair nos jornais a mão do Pezão no escândalo da Petrobras. Vai ser uma vergonha ver este homem ser apeado do poder e a eleição ser anulada. Ele roubou a Petrobras”, disse Crivella, sem meias palavras, durante o discurso de ontem (21).

Após atacar Pezão, Crivella elogiou Garotinho e afirmou que o aliado já “lambeu as feridas”. “Foram tantas injúrias que Garotinho sofreu ao longo da campanha, que acabaram abalando sua candidatura. Mas eu peço ao povo de Campos que enxugue as lágrimas. O revés não diminui, nem desmerece Garotinho, sobretudo após este gesto de esquecer a dor, lamber as feridas e se unir a uma candidatura com apenas um pedido: derrotar Cabral”, disse Crivella.

Discurso feroz - Ainda magoado com a derrota no primeiro turno, Garotinho fez um discurso feroz contra o atual governo e se uniu a Crivella junto com a esposa, a prefeita Rosinha Garotinho, e a filha, Clarissa, deputada federal mais votada do estado. “O povo foi para as ruas dizer Fora Cabral porque Cabral fechou 300 escolas, prendeu bombeiros e policiais e mandou para Bangu I para ficar com bandidos do Comando Vermelho. Isso é covardia”, disse Garotinho. O ex-governador disse ainda que Pezão não deveria ser impedido de disputar a reeleição porque foi, de fato, o governador no últimos oito anos, e não Sérgio Cabral. “O cachorro de estimação do Cabral usava o helicóptero do governo do Estado que é para salvar a vida de pessoas. E onde estava o Pezão? Quando viajou para Paris para dançar na boquinha da garrafa com guardanapo na cabeça, onde estava o Pezão? O Cabral vivia viajando e esta porcaria de governo que está aí é o governo do Pezão”, disparou Garotinho.

Compra de votos - No fim, Garotinho pediu que o povo chame a polícia no dia da eleição e denuncie ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) a compra de votos que, segundo ele, é prática corrente do PMDB de Luiz Fernando Pezão. E acusou o presidente da Assembleia Legislativa, Paulo Melo, de ser um dos responsáveis pelo crime eleitoral. “Não estamos no Carnaval. Tirem a máscara do Pezão que vocês verão a cara do Cabral por trás. O pé dele é grande, mas é sujo. Político que compra voto é bandido. O Paulo Melo desceu de helicóptero com malas de dinheiro aqui em Campos no dia da eleição. Vamos expulsar essa gente aqui de Campos. Liguem para a polícia, liguem para o TRE. Quem compra voto, compra dignidade e cidadania”, disse Garotinho.

Fonte: O Dia 
Leia mais...

Dilma se divide em duas no Rio



A presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT, fez campanha na segunda-feira (20), no Rio, ao lado dos candidatos do PMDB e do PRB ao governo do estado, se dividindo entre os movimentos “Dilmão” e “Dilmella”. Sem pedir votos para eles, nem colocar adesivos, Dilma fez carreata com o senador Marcelo Civella (PRB) em Cabuçu, em Nova Iguaçu, e com o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) em Padre Miguel, na Zona Oeste do Rio.

Na primeira agenda, Dilma fez campanha ao lado de Crivella, Lindberg Farias (PT), e o deputado Anthony Garotinho (PR). Os dois foram derrotados no primeiro turno e passaram a apoiar o candidato do PRB. Em um discurso de quatro minutos, Dilma não elogiou Crivella como costumava fazer no primeiro turno. Ela conclamou o eleitor a escolher entre “aqueles que defendem o emprego e aqueles que desempregam”. “A eleição no dia 26 vai colocar de um lado aqueles que defendem os empregos e os salários. Do outro, aqueles que desempregaram no Brasil, que reduziram os salários e que se ajoelharam para o Fundo Monetário (Internacional). Aqueles que quebraram o Brasil três vezes”, discursou Dilma, na caçamba de uma caminhonete, ao chegar à praça de onde partiu para uma carreata de apenas um quilômetro e meio por oito ruas do bairro.

Mesmo sem citar o candidato do PSDB, Aécio Neves, Dilma fez uma referência clara à estratégia de sua campanha de estabelecer uma comparação entre os 12 anos do PT no poder e os oito de Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Ao lado de Crivella, Dilma chegou às 10h30 a uma praça do bairro de Cabuçu, afastado do centro de Nova Iguaçu, depois de desembarcar de um helicóptero no campo de futebol do clube local.

Depois, a candidata do PT foi até Padre Miguel, onde participou de nova carreata, desta vez com Pezão, acompanhada do prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), o presidente da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), Paulo Melo (PMDB) e o deputado estadual Carlos Minc (PT). Durante o ato, sob forte sol, ela tossiu e pediu água, sendo atendida por Minc. Um eleitor entregou à petista um santinho em que ela aparece ao lado do ex-presidente Lula e ela o exibiu para os moradores. A carreata durou cerca de 40 minutos e os candidatos responderam com simpatia aos acenos. Ao final, enquanto se dirigiam para o carro que levaria a presidente à Base Aérea dos Afonsos, de onde embarcou para São Paulo, mais acenos e gritos de “Dilma lá e Pezão aqui!”.

A.N.
A.B.L.
Fotos: Ichiro Guerra/Divulgação

Leia mais...

Datafolha: Publicações em redes sociais influenciaram a escolha do voto de 39% dos eleitores conectados


Pesquisa conduzida pelo Datafolha mostra que as ferramentas de interação online "influenciaram muito" 19% dos entrevistados e "um pouco" 20% deles



Do eleitorado brasileiro conectado à internet, quase a metade (47%) tem conta em alguma rede social. Facebook e Whatsapp despontam como as mídias sociais mais acessadas, mostrando inclusive que são ferramentas capazes de exercer um papel de convecimento político. 

Em pesquisa realizada pelo Datafolha, 39% dos entrevistados disseram ser influenciados de alguma forma por publicações nas redes sociais, sendo que 19% se considera muito influenciado e 20% um pouco. 

A leitura e o compartilhamento de notícias também se mostrou bastante expressivo. 75% dos internautas inscritos em redes sociais costumam se informar por meio de suas contas - sendo o Facebook a rede mais popular, com 68% dos entrevistados - e 46% afirmam ainda compartilhar noticias sobre eleições em alguma rede social. 

Leia mais notícias em Eleições 2014 

Os eleitores conectados também usaram as contas em mídias sociais para declarar os seus candidatos preferidos. 20% dos entrevistados afirmaram ter publicado os votos no primeiro turno, enquanto 22% contou já tê-lo feito nesta etapa final da disputa.

A pesquisa revela ainda que em cada 10 eleitores, 6 têm acesso à rede. Se apenas os mais jovens forem considerados (16 a 24 anos), esse número aumenta para 9 em cada 10 eleitores ou 8 em cada 10 quando a faixa etária é de 25 a 34 anos. 

Dilma e Aécio também estão empatados no número de seguidores do Facebook, cada um com 9% dos entrevistados. A pesquisa do Datafolha ouviu 4.389 pessoas em 257 municípios nesta última segunda-feira. A margem de erro da pesquisa é 2 pontos para mais ou para menos.
Leia mais...

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Aumento de casos de sífilis congênita no estado pode antecipar campanha de prevenção



Estela Siqueira: O estado do Rio – com 24.713 casos da doença entre nos últimos 14 anos -  passou a contar com o “Programa Estadual de Incentivo à Investigação e Prevenção da Sífilis Congênita", que concentra campanha no mês de maio, mas o aumento do número de casos em 2013 e este ano fez com que os autores da lei, os deputados estaduais Bernardo Rossi e Rafael Picciani (PMDB) oficiassem o governo para acelerar ações como a divulgação do uso de preservativos e da importância do pré-natal quando a doença pode ser diagnosticada. A Lei 6873/14 sancionada pelo governador Luiz Fernando Pezão está em vigor desde o final de agosto.

A sífilis congênita, quando a doença é transmitida de mãe para filho na gravidez ou no parto, é considerada problema de saúde pública no país. Só este ano, até agosto, no estado do Rio, foram registrados 1.690 casos. Em 2013, foram 2.936 infectados.

“Propusemos o programa de prevenção porque o número de casos entre 2000 e 2013 subiu 91,3%. Saltamos de 1.535 para 2.936. Só que este ano, o número elevado já é preocupante e nossa indicação é que o governo antecipe a campanha”, aponta Bernardo Rossi. O deputado lembra, no entanto, que por conta de um amplo trabalho da secretaria estadual de Saúde junto aos municípios, o número de notificações da doença cresceu 33,43%.

O teste VDRL, que identifica a sífilis congênita, faz parte da rotina do pré-natal de toda gestante que, uma vez diagnosticada, encontra tratamento disponível na rede pública de saúde. “As estatísticas são altas porque há maior atenção ao problema e as notificações são obrigatórias. Mesmo assim, o número de casos pode ser reduzido com uso de preservativo”, completa.

A sífilis congênita pode causar má-formação do feto, nascimento prematuro, aborto e até a morte do bebê. Os que nascem vivos têm a saúde comprometida. Na maioria dos casos, a sífilis se apresenta logo após o nascimento, mas a doença pode se manifestar até os dois anos de vida. A criança doente pode apresentar pneumonia, feridas no corpo, cegueira, dentes deformados, surdez, dificuldade de aprendizagem, retardo mental e deformidades ósseas.

O exame de sangue para identificar a doença deve ser feito ainda no primeiro trimestre da gravidez nas Unidades de Atenção Básica, nas redes municipais de saúde, e nos serviços que realizam pré-natal pelo SUS. Recomenda-se que o teste seja repetido no terceiro trimestre de gestação e, novamente, antes do parto. As mulheres que não têm o resultado do teste disponível devem realizar o exame antes do parto. Se a mãe estiver infectada, é possível que o bebê nasça com complicações. Importante também que seus parceiros sexuais sejam diagnosticados e tratados, já que há risco de reinfecção. Por isso, todos os bebês que nascem na rede pública de saúde devem realizar o exame para identificar a doença. Em caso positivo, a criança precisa ficar 10 dias internada para receber a medicação adequada, o que muitas vezes aumenta o tempo de internação também das mães.


Leia mais...

Lei cria protocolo de atendimento de casos de violência em escolas


O Executivo Municipal sancionou recentemente a Lei 7.235 que cria o Protocolo de Atendimento a cidadãos, pais, alunos e ex-alunos nas Escolas Municipais de Petrópolis. A autoria da lei é do vereador Roni Medeiros (PTB). 

Segundo Roni, “o objetivo principal da lei é ajudar a reduzir o número de casos de violência nas escolas do município, tendo como base a ajuda do controle de problemas com alunos e ex-alunos, especialmente por meio da participação dos pais”.

De acordo com a nova lei, cada escola deverá desenvolver um conjunto de procedimentos a serem seguidos por cidadãos, pais, alunos e ex-alunos no acesso aos espaços reservados e ainda como esses cidadãos deverão ser atendidos, incluindo características como presteza, moralidade, legalidade, transparência, impessoalidade, responsabilidade e eficiência.

Na defesa do projeto, Roni declarou que, “o futuro da nossa cidade está no empenho de nossos alunos por meio da educação. A escola tem que ser um local onde os jovens e as crianças se sintam em segurança e não tenham receio de comparecer. A criação deste protocolo vai ajudar nossos alunos a não temerem denunciar”.

Uma das bases do projeto de lei é um estudo internacional realizado em 2010 pela Organização Britânica de Defesa das Crianças (Plan International) e pelo o Instituto de Desenvolvimento Externos (Overseas Development Institute) que estima o custo da violência nas escolas no Brasil em 943 milhões de dólares por ano, levando-se em conta os custos sociais, como o que uma pessoa perde quando deixa de comparecer às aulas ou desiste da escola por causa da violência.

Outro dado da pesquisa citado pelo vereador é o fato de 84% dos estudantes entrevistados em seis capitais brasileiras acharem a escola um lugar violento e 70% declarar que já foi vítima de abusos nesse ambiente.

O vereador Roni vive próximo a uma região que concentra escolas em Petrópolis e observa diariamente cenas de agressão e bullying a alunos uniformizados, que eventualmente acabam temendo retornar às aulas. 
Leia mais...

Ação criminosa é responsável pelo maior incêndio florestal em Petrópolis


Estela Siqueira: Em sobrevoo na manhã desta segunda-feira (20.10) bombeiros avistaram três pessoas, em pontos distintos de Itaipava, ateando fogo em locais próximos a áreas verdes. Na semana passada, brigadistas encontraram um equipamento improvisado usado possivelmente para atear o fogo que se alastrou pelo Parque Nacional da Serra dos Órgãos (Parnaso) consumindo mais de 10% da área considerada de importância extrema de preservação por ser Mata Atlântica.  A ação humana que tem provocado a devastação ambiental por meio de queimadas deve ser punida com mais rigor. “Por isso, com apoio técnico dos bombeiros para melhor classificar o crime ambiental, estamos apresentando projeto de lei mais severa para punição”, afirma o deputado estadual Bernardo Rossi (PMDB).

O saldo de incêndios em 10 dias em Petrópolis é de 3,5 mil hectares devastados, custo de recuperação estimado em R$ 70 milhões, mas prejuízo incalculável para o resgate do Meio Ambiente. No período, os bombeiros chegaram a registrar mais de 30 focos simultâneos de incêndio em vegetação. A possibilidade de combustão espontânea está afastada e a ação humana foi responsável pelo estrago ambiental que colocou a população em risco.

“Há a indicação também que o governo do Estado e as entidades envolvidas engajem a população pelo Disque-Denúncia. O número (21)2253-1177 que recebe mensalmente mais de 12 mil ligações em sigilo hoje é um canal importante para o combate à criminalidade e os incêndios em vegetação são crimes contra o ambiente e contra a população”, aponta Bernardo Rossi.

No caso das três pessoas nesta segunda, em Itaipava, ateando fogo possivelmente para a queima de lixo, a polícia foi chamada, pelos bombeiros para, por terra, fazer a averiguação. “Mesmo assim, é muito difícil essa identificação, mas como é um crime recorrente, um canal de denúncias pode facilitar que a população direcione a polícia”, prevê Bernardo Rossi.  Desde o início das queimadas, há 10 dias, apenas um homem, morador de Corrêas, chegou a ser detido acusado de ter colocado fogo em vegetação. Ele foi liberado, mas vai responder pela acusação.
Leia mais...

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Alerj vai propor penas severas a responsáveis por queimadas

 

Prejuízo em Petrópolis ultrapassa os R$ 52 milhões

Penalidades severas aos responsáveis por queimadas no Estado do Rio vão entrar em pauta na forma de projetos de lei na Assembleia Legislativa do Estado (Alerj). Os projetos estão sendo propostos pelo deputado estadual Bernardo Rossi (PMDB) com embasamento técnico do Corpo de Bombeiros. Bernardo recepcionou o governador Luiz Fernando Pezão que sobrevoou a cidade nesta quinta-feira (16.10) pela manhã em vistoria a uma das piores situações de fogo em vegetação registradas em Petrópolis que ocorre há uma semana e que já consumiu 2.600 hectares incluindo 600 hectares do Parque Nacional da Serra dos Órgãos.

A recuperação ambiental de cada hectare é avaliada em pelo menos R$ 20 mil por especialistas em Meio Ambiente. “O dano em Petrópolis é estimado em R$ 52 milhões, mas o prejuízo ambiental é incalculável.  A punição por uma queimada chega a R$ 1,5 mil a R$ 2 mil por hectare. Sem contar as dificuldades em identificação de incendiários criminosos. Uma legislação mais severa precisa estar em vigor”, defende Bernardo Rossi.

Os oito focos de incêndio estão sendo combatidos por 600 homens dos Bombeiros em quatro aeronaves. Outros quatro helicópteros chegam à cidade nesta sexta-feira. A previsão do Secretário estadual de Defesa Civil, Sérgio Simões, é de debelar os focos em até 72 horas. “A situação é grave, mas sob controle. Estamos aqui para, de perto, garantir que todos os meios estão sendo colocados à disposição pelo Estado”, afirmou Pezão. O governador não descartou possibilidade de pedido de ajuda ao governo federal e às Forças Armadas, mas assegurou a pontualidade das operações na cidade. “Quatro focos estão dentro do Parque Nacional da Serra dos Órgãos e quatro na Reserva Biológica de Araras. Além destes, temos focos pontuais que estão sendo combatidos”, afirma Simões.

Ainda pela manhã, as equipes combateram focos próximo a residências em Secretário e no Calembe. Bombeiros estiveram ainda em áreas às margens da BR-040 como em Barra Mansa e na altura do Castelo de Itaipava. Desde o início das operações em helicópteros pelo menos 400 mil litros de água foram usados em lançamentos sobre as chamas.  

“Há a indicação também que o governo do Estado e as entidades envolvidas engajem a população pelo Disque-Denúncia. O número (21)2253-1177 que recebe mensalmente mais de 12 mil ligações em sigilo hoje é um canal importante para o combate à criminalidade e os incêndios em vegetação são crimes contra o ambiente e contra a população”, aponta Bernardo Rossi.

A vistoria do governador Pezão foi acompanhada ainda pelo presidente da Câmara, Paulo Igor, e pelo vereador Maurinho Branco (SDD). “O legislativo petropolitano se soma aos esforços de haver principalmente prevenção. Hoje, a situação requer o pronto combate às chamas, mas estamos dispostos a abrir a casa para debater legislação, buscar recursos, aumentar efetivo, enfim, o que puder ser feito para que estado e município atuem juntos em prevenção”, afirma Paulo Igor.

Via ASCOM
Leia mais...